Mostrar mensagens com a etiqueta Alimentação. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Alimentação. Mostrar todas as mensagens

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

1 Da quinta para o frigorifico (documentário)

Apresentado por Mercy For Animals Farm . Narrado por Oscar indicado James Cromwell, este poderoso filme leva os espectadores a uma exploração  por trás das portas fechadas das maiores fazendas da nação industrial, incubatórios e abatedouros - revelando a viagem muitas vezes invisível que os animais da fazenda para fazem até ao nosso frigorifico .








sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

0 Estado apoia com mais dinheiro um deputado do que um aluno numa escola pública

Para as famílias carenciadas a refeição nas escolas é por vezes a melhor refeição do dia. Mas entre as escolas e a Assembleia, as diferenças são bastantes e estão á vista.
É meio-dia numa escola pública. O refeitório abre para almoço. Quem tem escalão A não paga nada. No escalão B são 80 cêntimos e quem não tem escalão paga menos de dois euros. Estes são os preços em três escolas na localidade de Caldas da Rainha do secundário. A ementa, publicada na Escola EBI Santo Onofre está desactualizada, pois só mostra resultados até 12 de Outubro. Mas a ementa é sempre a mesma: sopa, prato, guarnição com vegetais, sobremesa e pão.
Já noutra localidade da Linha de Sintra, numa escola primária, a comida é outra: peixe mal confeccionado, e uma refeição composta por um pedaço de peixe e duas batatas, tal como denunciado pelo Tugaleaks onde o pai de uma criança nos contou que a comida era “manifestamente insuficiente“.

No parlamento a história é diferente. O Semanário o Diabo relata que no início do ano lectivo o Governo disponibilizou um montante perto dos 55 milhões de Euros para as refeições escolares por todo o país. No entanto, só para os 230 deputados existentes na Assembleia, o valor foi cerca de 900 mil euros
Nas na assembleia não há “simples” fruta da época nem sopa de Alface. Os critérios da ementa é valorizada se houver perdiz, lebre, pombo torcaz, rola e similares, lombo de novilho, lombo de vitela, lombo ou lombinho de porco preto (bolota) e camarão/gamba grande (24 por Kg ou maior) e similares.
Por cerca de 10 euros os deputados podem comer na AR arroz de tamboril com gambas e salsichas em couve lombarda. Têm ainda direito a ume mesa de fritos, outra vegetariana, outra de doces e frutas e ainda uma de queijo, segundo apurou o Diabo.

Feitas as contas, se o mesmo dinheiro da AR (90 mil euros para 250 pessoas) fosse usado na mesma proporção e qualidade para as refeições escolares, seriam apenas servidas cerca de 15.000 refeições em todo o país.
A realidade é outra: há mais de 15.000 alunos e muitos pais não ganham 3.264EUR brutos como os deputados.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

0 Conheça 30 alimentos que ajudam a manter o corpo em forma

Deixar o corpo em forma, firme e tonificado não é tarefa fácil, mas alguns alimentos podem ajudar. Eles podem não apenas auxiliar na queima de gordura, como no aumento de massa magra. Mas para isso dar certo, além de consumir entre 2200 e 1750 calorias por dia, dependendo do seu objetivo, é preciso se exercitar. Confira a lista organizada pela revista britânica Glamour de 30 alimentos que podem ajudar você a conquistar o corpo dos sonhos:

1. Peito de frango
Se seu objetivo é tonificar e modelar o seu corpo vai precisar alimentar seus músculos. Quanto mais fortes e poderosos forem seus músculos mais calorias você irá queimar, e mais rápido. Por isso, você deve comer entre 15 e 20g de proteína por refeição. Um peito de frango grelhado é ideal, porque é pobre em gordura e rica em proteínas.

2. Carne de peru
A carne escura de peru tem baixa caloria e altos níveis de proteína. Além disso, contém duas vezes mais zinco e riboflavina, que melhoram a aparência, são essenciais para sua energia e ainda melhoram a saúde do seu sistema imunológico.

3. Cavala
Os peixes gordurosos como a cavala, também são nutritivas, pois possuem proteína e baixa caloria. Cheio de ômega 3 e 6, cálcio, selênio, magnésio, potássio, folato, niacina, vitaminas A, B12, C e K. Comer uma porção de cavala três vezes por semana garante um cabelo brilhante e uma pele saudável e tonificada.

4. Salmão
Não é fã de cavala? Coma um filé de salmão grelhado. Igualmente rico em proteína, esse peixe possui gorduras boas e é ótimo para sua saúde.

5. Atum
Este é mais um peixe que não poderia faltar na lista. Rico em proteínas, com poucas calorias, baixo teor de gordura. Seja grelhado ou o bom e velho enlatado, a boa notícia é que o atum deve estar na dieta de quem quer manter o corpo em dia.

6. Camarão
Dentre os frutos do mar o camarão se destaca. Ele ainda é menos calórico do que os peixes e é igualmente rico em proteína. O camarão também é uma fonte de selênio, que faz bem para a pele.

7. Ostra
Além de proteína, as ostras possuem cálcio, zinco, selênio, ferro (essencial para a produção de colágeno) e vitamina A. Isso tudo por menos de 20 calorias por concha.

8. Ovo
Há muitas maneiras de preparar um ovo, que é uma opção versátil para manter os seus músculos em dia. Ele tem baixa caloria e muita proteína grande - basta lembrar que as gemas são bastante ricas em gordura saturada (bem como outros nutrientes, como selênio e zinco). Os ovos brancos são muito mais baixas em gordura, para salvar as gemas para um dia chuvoso de cozimento, e dobra em um ovo branco omelete vez.

9. Carne magra
Não descarte um bom bife. É claro, que ele precisa ser em uma versão mais magra, grelhada ao invés de frito no óleo ou manteiga. A carne fornece proteína e ferro para seus músculos, mas sua ingestão deve ser limitada, pois possui gordura saturada. Então, consuma entre uma e duas vezes por semana.

10. Queijo cottage
Os produtos lácteos, como queijo, são boas fontes de proteína e cálcio, mas cuidado, pois a maioria deles é rica em gorduras saturadas e deve ter consumo limitado. Porém, o queijo cottage é uma exceção. Ele possui baixo teor calórico e muita proteína. Então, espalhe o produto sobre torradas integrais ou adicione-o à omelete.

11. Tofu
Não se esqueça das proteínas alternativas. Geralmente utilizada como um suplemento, a soja impulsiona a produção de colágeno e tem efeito antienvelhecimento. Na forma do tofu concentra elevados níveis de proteína e baixo teor calórico. Ele será melhor apreciado marinado, cozido ou misturado com outros ingredientes da lista.

12. Espinafre
Você pode até dispensar a alface, mas nunca o espinafre. Ele possui alto teor de ferro e vitamina C, que ajudam a produzir colágeno, importante para manter a pele e os músculos mais jovens. Espinafre é também rico em fibras, e irá mantê-lo satisfeito durante mais tempo.

13. Couve
Como outros vegetais de folhas verdes, a couve está cheia de colágeno, vitaminas e minerais. Tudo isso aliado a baixo nível calórico.

14. Brócolis
O brócolis deve ser consumido na maior frequência possível, pois ele é um dos vegetais mais nutritivos que existem.

15. Beterraba
Legumes vermelhos, como beterraba, contêm uma substância química natural chamada licopeno, um antioxidante poderoso que encoraja a elasticidade da pele através da produção de colágeno. Outro benefício é proteger a pele dos danos do sol. Por isso, é ótimo para esse tipo de dieta.

16. Pimentão vermelho
Essa é outra fonte de licopeno, e claro, ótimo para a produção de colágeno.

17. Tomate
Com pouca gordura e baixa caloria, o tomate é uma boa fonte de fibras e deixará você satisfeito por mais tempo. Por isso, tente incluir pelo menos uma porção de vegetal vermelho e uma de verde por dia.

18. Framboesa
A framboesa é uma fabulosa fonte de antioxidantes, vitaminas que ajudam a rastrear e eliminar toxinas nocivas no organismo.

19. Mirtilo
Assim como a framboesa, o mirtilo contribui para aumentar o colágeno. Como cada punhado contém menos de 100 calorias é uma ótima opção para um lanche no meio do dia.

20. Amêndoa
A amêndoa é rica em vitamina E, que também ajuda na manutenção da pele, cabelos e unhas.

21. Morando
Um punhado de morangos também faz um ótimo lanche para quem quer incentivar a produção de colágeno. Especialmente por que em 16 dessas frutas há apenas 90 calorias.

22. Arroz integral
Para ter energia para se exercitar, construir e fortalecer os músculos nosso corpo também precisa de carboidratos. Mas prefira o arroz integral ao invés do branco. A versão integral possui vitaminas, minerais e proteína, assim é uma ótima opção para ser consumido com outros ingredientes nesta lista.

23. Aveia
Essa é uma ótima fonte de fibras e de energia duradoura. Rosie Huntington-Whiteley simplesmente não teria sua barriga lisa sem aveia.

24. Vinagre de maça
Para conquistar um abdômen tanquinho precisamos nos livrar da retenção de líquidos e do inchaço. O vinagre de maça não é apenas um diurético (o que significa que você faz xixi), mas também um bom anti-inflamatório. Use como molho de salada ou consuma uma colherada na hora das refeições.

25. Semente de girassol
Se você está procurando um lanche que ajude a manter seu corpo em forma e ainda cuide da sua beleza a semente de girassol é a escolha certa. Rica em proteína, vitaminas e fibras, pode ser consumida entre as refeições.

26. Lentilha
Os grãos são superalimentos quando o assunto é esculpir o corpo, pois contêm colágeno, nutrientes, proteínas, hidratos de carbono complexos e fibras. E a lentilha é um ótimo exemplo disso.

27. Feijão
O feijão é outro grão que concentra esses benefícios. Porém, o ideal é fazer seu próprio prato economizando na gordura. Sirva com uma porção de vegetais e arroz integral.

28. Cenoura
Vegetais laranjas como cenouras são cheios de vitamina A, que ajuda a regenerar o colágeno.

29. Batata doce
Esta também é uma ótima fonte de carboidratos lentos, além de ser saborosa.

30. Chá branco
Para fechar você pode optar por uma caneca fumegante de chá branco. Rico em antioxidantes esse chá ajuda a retardar o envelhecimento e ainda tem funções regeneradoras. Consuma de duas a três xícaras por dia.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

0 Taberna Tosca em Lisboa oferece comida a quem tem fome

Nos dias que correm, não poderia deixar de postar algo que merece todo o nosso respeito. Este estabelecimento comercial tem o nome de TABERNA TOSCA, no largo de São Paulo, em Lisboa.

Entre as 16:00h e as 17:00h, como se pode ver na foto o restaurante oferece comida a quem tem fome.

Uma partilha = Respeito 

Inaugurada em 2010 na zona do Cais do Sodré, a Taberna Tosca é um espaço informal e descontraído. A ementa conta com pratos portugueses (como alheira de fumeiro e pezinhos de coentrada) e internacionais, enquanto a carta de vinhos é variada. Aqui realizam-se, de resto, sempre durante a tarde, cursos de prova de vinhos e de outros produtos nacionais. Desde o verão de 2012, tem por companhia a Mercearia Tosca, um misto de loja e casa de petiscos.

 
Mais Informações
Ambiente e decoração: Num edifícios de traça pombalina, a decoração é moderna, predominando o branco e o preto.
Dia(s) de Encerramento: Domingos
Estacionamento: Não
Necessidade de reserva: Aconselhável
Preço Médio: 20.00
Serviços: Esplanada
Tipo de Restaurante: Português
Horário de Funcionamento: De Seg. a Qui. das 12:00 às 00:00
Sex das 12:00 às 02:00
Sab. das 15:00 às 02:00


Morada: Praça de São Paulo 21
Código Postal: 1200 425 LISBOA
Telefone: 218034563
Site: www.tabernatosca.com
Distrito: Lisboa
Concelho: Lisboa
Freguesia: São Paulo

sábado, 16 de novembro de 2013

0 Denúncia : Refeitório Escola Secundária Gabriel Pereira

Enviado pela leitora Carlota Ribeiro

Apesar do vídeo (gravado a 12-11-13) não estar na melhor qualidade consegue-se observar que a comida confeccionada neste ano no refeitório da Escola Gabriel Pereira em Évora não é servida com as qualidades básicas. Desde batatas cruas com sabor a podre , peixe (pescada) com aspecto de quem foi a um solário, enfim tudo acontece. Não esquecendo que a quantidade por vezes é insuficiente.
Muita comida é ESTRAGADA pois muitos dos alunos não conseguem comer a comida confeccionada.Esta terça-feira (12-11-13) foi o dia pior!
Esta escola não respeita as regras estabelecidas para abertura do refeitório (12:15 horas) chegado a abrir por volta das 13:00 horas (ás vezes) e por vezes este acontecimento tem consequencias graves como os alunos chegarem tarde ás aulas.
Corre um abaixo assinado para protestar este acontecimento e as assinaturas já são muitas...Normal!!!

Este tipo de acontecimento parece que já é comum nas escolas portuguesas como prova a notícia abaixo:
http://www.tugaleaks.com/escola-refei...



sexta-feira, 25 de outubro de 2013

1 Belo retrato do nosso país ...latas de atum têm de estar fechadas com o mesmo tipo de dispositivo que até agora era utilizado para produtos de valor elevado

Temos um bom retrato do país quando simples latas de atum têm de estar fechadas com o mesmo tipo de dispositivo que até agora era utilizado para produtos de valor elevado.

Latas de atum.

Rouba-se para vender atum no mercado negro?
Rouba-se para vender atum para comprar droga?

Não. Rouba-se para comer.
É este o Portugal de Direita.
É este o Portugal onde a ENORME MAIORIA não se levanta para ir votar porque "não vale a pena".

Vale a pena TENTAR pois em Portugal HÁ POBREZA ENVERGONHADA. EM PORTUGAL HÁ INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE QUE JÁ NÃO TÊM CAPACIDADE PARA DAR MAIS REFEIÇÕES.

EM PORTUGAL JÁ SE ROUBAM BENS ESSENCIAIS PARA COMER.

E VOCÊS...QUE SE ABSTÊM PORQUE "SÃO TODOS IGUAIS"...POR FAVOR VOTEM. NÃO SABEMOS SE MUDA OU NÃO...MAS SABEMOS QUE NAQUELAS 2 HORAS EM QUE SAEM "DO SOFÁ" PODEM ESTAR A FAZER TODA A DIFERENÇA.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

0 Chicken McNuggets contém fibras estranhas ( Video )

Mike Adams, o Ranger Saúde, é o diretor do Natural Notícias Forense Food Lab, e neste vídeo ele toma um olhar mais atento sobre Chicken McNuggets McDonald sob um microscópio digital de alta potência.

Veja as fibras estranhas, objetos azuis, coloração vermelha e outras formas estranhas o Ranger Saúde descobriu em sua investigação forense.








segunda-feira, 20 de maio de 2013

0 OGM NUNCA! O perigo iminente…

001 OGM é a sigla de Organismos Geneticamente Modificados, organismos manipulados geneticamente, de modo a favorecer características desejadas, como a cor, tamanho etc. OGMs possuem alteração em trecho(s) do genoma realizadas através da tecnologia do DNA recombinante ou engenharia genética.

Na maior parte das vezes que se fala em Organismos Geneticamente Modificados, estes são organismos transgénicos. OGMs e transgénicos não são sinónimos: todo transgénico é um organismo geneticamente modificado, mas nem todo OGM é um transgénico.
Um transgénico é um organismo que possui uma sequência de DNA, ou parte do DNA de outro organismo, pode até ser de uma espécie diferente. Enquanto um OGM é um organismo que foi modificado geneticamente, mas que não recebeu nenhuma região de outro organismo. Por exemplo, uma bactéria pode ser modificada para expressar um gene bem mais vezes. Isso não quer dizer que ela seja uma bactéria transgénica  mas apenas um OGM, já que não foi necessário inserir material externo. Sempre que inserimos um DNA exógeno num organismo esse passa a ser transgénico.

O mito de que os OGM ( vão acabar com a fome no mundo é mais uma mentira. Na realidade a utilização de OGM não revelaram um aumento da produtividade. Mais grave ainda, os pequenos agricultores ficam dependentes das multinacionais, como Monsanto, quanto à compra de sementes, adubos e pesticidas.

Nos Estados Unidos, 90% da soja e 70% do milho plantados são transgénicos.  Um grupo independente de cientistas do Union of Concerned Scientist (UCS), publicou no dia 14 de maio de 2009, um estudo que prova que a produção com recurso aos OGM não melhorou o rendimento agrícola em comparação com as culturas feitas com sementes tradicionais.

003

O monopólio da Monsanto

A empresa Monsanto controla 95% da produção mundial de OGM. Está presente em 46 países, com 17 500 empregados e tem um volume de negócios de mais de 8 mil milhões de Dólares. Nos últimos anos comprou mais de 50 empresas do ramo alimentar e farmacêutico para dominar o mercado mundial de sementes e investigação agrícola.
Na Índia quase todo o algodão cultivado é OGM, as sementes de Monsanto têm um preço quatro vezes mais elevado do que as tradicionais e necessitam da mesma quantidade de pesticida. Uma praga, em 2006 nesse país, destruiu grande parte das culturas de algodão transgénico e mais de 700 camponeses suicidaram-se em seis meses. No Paraguai, no Brasil e nos Estados Unidos, alguns agricultores tiveram as suas culturas contaminadas por OGM e tiveram que pagar à Monsanto “royalties” sem nunca terem tido a intenção de produzir OGM.
A batalha dos OGM esconde enormes interesses financeiros. O colocar um gene artificial numa determinada planta, estas multinacionais obtêm a patente dessa planta, portanto são donas delas.

Primeiro Estudo Independente denuncia OGM

Cientistas franceses alertam para os riscos na saúde dos mamíferos de três variedades de milho transgénico que já receberam luz verde para a comercialização na UE.
Os cientistas das Universidades de Caen e Rouen e do instituto de investigação CRIIGEN tiveram acesso aos dados em bruto dos testes confidenciais da multinacional Monsanto, os mesmos testes que permitiram a autorização internacional para o comércio de três variedades de milho geneticamente modificado (MON810, MON863 e NK603). Mas a contra-análise feita pelos cientistas franceses chegou a conclusões muito diferentes.

Corn in the cob with genetically modified sticker 

 Os riscos associados ao consumo destes OGM verificam-se de forma diversa, consoante o sexo e a dose, sobretudo ao nível do fígado e dos rins, bem como do coração e das glândulas supra-renais. Todas as variedades apresentaram resíduos de pesticidas que estarão presentes na alimentação humana e nas rações animais, colocando em perigo a saúde pública.

Os investigadores apelaram à proibição imediata da importação e cultivo destes OGM e recomendam estudos dos efeitos a longo prazo (até dois anos) e multigeracional em pelo menos três espécies de animais para se chegar a conclusões cientificamente válidas e definitivas sobre o efeito tóxico dos Organismos Geneticamente Modificados.
O CRIIGEN denunciou também as agências francesas e europeias de segurança alimentar por terem considerado os produtos em causa como estando livre de riscos, baseados apenas em 90 dias de testes em ratos de laboratório. Os cientistas dizem também que existe um conflito de interesses e incompetência destas instituições para re-analisarem os dados presentes neste estudo, uma vez que já deram parecer favorável com base nos mesmos testes, ignorando os efeitos secundários.
O trabalho destes investigadores foi considerado o maior e mais detalhado estudo dos efeitos destas três variedades OGM na saúde dos mamíferos. Mas só foi possível após os governos europeus terem conseguido os dados em bruto dos testes da Monsanto, disponibilizando-os publicamente para o escrutínio da comunidade científica.

428663_293722124020650_100001485937732_836195_973900122_n

Em Novembro, a multinacional Monsanto decidiu retirar à última hora o pedido de aprovação das variedades de milho transgénico LY038 e ao cruzamento LY038xMON810, pedindo a devolução de toda a documentação associada, incluindo os testes, o que foi aceite pela entidade reguladora europeia e causou grande decepção na comunidade científica, impedida de analisar aqueles dados. Para o CRIIGEN, a decisão da Monsanto teve pouco que ver com o interesse comercial e mais com a segurança alimentar. O LY038 foi aprovado em 2005 nos Estados Unidos, seguindo-se o Japão, Canadá, Filipinas e Coreia do Sul. Mais tarde foi também aprovado na Austrália e Nova Zelândia, apesar da oposição de políticos e cientistas. As reservas europeias na aprovação desta variedade OGM ficaram a dever-se precisamente à persistência da investigação por parte de cientistas independentes neo-zelandeses sobre a candidatura da Monsanto.
Não perca o pequeno documentário abaixo e saiba exactamente o que está a fazer ao consumir produtos transgénicos ou geneticamente modificados, e partilhe este artigo com o máximo de pessoas que puder!

domingo, 7 de abril de 2013

0 Pesticidas na comida: Portugal acima da média europeia

Portugal é um dos países europeus mais vezes referido num relatório sobre resíduos de pesticidas nos alimentos, divulgado pela Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA). O estudo, referente ao ano de 2010, abrange 29 países europeus – os 27 da UE e ainda Noruega e Islândia – e dá conta dos testes feitos a 12,168 amostras de onze tipos de frutas e legumes e alguns produtos derivados.
O relatório aponta valores em consonância com as normas europeias para 97,2 por cento dos casos testados, e sustenta que 99,6 por cento das amostras não apresentam riscos para os consumidores. Portugal é um dos cinco países onde a média de amostras acima dos valores permitidos superou os 3 por cento: os restantes são Eslováquia, Chipre, Malta e Eslovénia.
Num total de 749 testes efetuados em Portugal, foi detetado excesso de pesticidas em maçãs (cinco casos), alho francês (três), uvas, laranjas, alface e bananas. Dos 22 casos que não cumpriam as normas, 17 resultaram em sanções administrativas e advertências aos produtores, enquanto cinco tiveram como consequência procedimentos criminais.
Testes realizados em Portugal detetaram ainda vestígios do fungicida Imazalil em duas amostras de comida de bebé, originária de países exteriores à União Europeia. O problema foi também localizado em amostras recolhidas na Alemanha, Hungria, Espanha e Eslováquia, num total de 36 casos em 1826 análises (2 por cento). A EFSA lembra, porém, que a legislação específica relativa a comida para bebé está dependente da afinação dos parâmetros de análise, que não são articulados com os aplicados a outros tipos de alimentos.
Outro referência negativa a Portugal, neste relatório, resulta do facto de alguns dos testes serem efetuados em laboratórios não credenciados a nível europeu. A situação é comum a outros cinco países (Bulgária, França, Itália, Roménia e Espanha).
A EFSA sustenta ainda, com base neste relatório, que por comparação com os produtos originários da União Europeia, a comida importada tem um risco cinco vezes superior de apresentar resíduos de pesticidas acima dos valores recomendados. Aveia (5,3%), alface (3,4%), morangos (2,8%) e pêssegos (1,8%) foram os produtos onde se detetou maior incidência de excesso de pesticidas.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

0 79 toneladas de carne com vestígios de cavalo apreendidas

A ASAE instaurou hoje cinco processos-crimes a empresas portuguesas por fraude sobre mercadoria e apreendeu 79 toneladas de carne contendo vestígios de carne de cavalo. Em comunicado, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) adianta que foram também apreendidas, no comércio de retalho e distribuição 18.839 embalagens de produtos à base de carne, como por exemplo lasanhas, hambúrgueres, canelones e almôndegas. Segundo a ASAE, os 79 mil quilogramas de carne e produtos à base de carne contendo carne de cavalo foram apreendidos em estabelecimentos industriais de preparação, embalamento e distribuição de carnes no comércio a retalho (grandes superfícies). Este organismo de fiscalização refere também que a abertura dos cinco processos-crimes resultou na realização de 134 colheitas de amostras para análises laboratoriais para determinação da existência de ADN em carne de cavalo, tendo verificado, até ao momento, 13 resultados positivos. A ASAE diz ainda que vai continuar com as ações de fiscalização neste domínio. 

A ASAE instaurou hoje cinco processos-crimes a empresas portuguesas por fraude sobre mercadoria e apreendeu 79 toneladas de carne contendo vestígios de carne de cavalo.
Em comunicado, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) adianta que foram também apreendidas, no comércio de retalho e distribuição 18.839 embalagens de produtos à base de carne, como por exemplo lasanhas, hambúrgueres, canelones e almôndegas.
Segundo a ASAE, os 79 mil quilogramas de carne e produtos à base de carne contendo carne de cavalo foram apreendidos em estabelecimentos industriais de preparação, embalamento e distribuição de carnes no comércio a retalho (grandes superfícies).
Este organismo de fiscalização refere também que a abertura dos cinco processos-crimes resultou na realização de 134 colheitas de amostras para análises laboratoriais para determinação da existência de ADN em carne de cavalo, tendo verificado, até ao momento, 13 resultados positivos.
A ASAE diz ainda que vai continuar com as ações de fiscalização neste domínio.
- See more at: http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3075836#sthash.L7FqvzOk.dpuf

A ASAE instaurou hoje cinco processos-crimes a empresas portuguesas por fraude sobre mercadoria e apreendeu 79 toneladas de carne contendo vestígios de carne de cavalo.
Em comunicado, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) adianta que foram também apreendidas, no comércio de retalho e distribuição 18.839 embalagens de produtos à base de carne, como por exemplo lasanhas, hambúrgueres, canelones e almôndegas.
Segundo a ASAE, os 79 mil quilogramas de carne e produtos à base de carne contendo carne de cavalo foram apreendidos em estabelecimentos industriais de preparação, embalamento e distribuição de carnes no comércio a retalho (grandes superfícies).
Este organismo de fiscalização refere também que a abertura dos cinco processos-crimes resultou na realização de 134 colheitas de amostras para análises laboratoriais para determinação da existência de ADN em carne de cavalo, tendo verificado, até ao momento, 13 resultados positivos.
A ASAE diz ainda que vai continuar com as ações de fiscalização neste domínio.
- See more at: http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3075836#sthash.L7FqvzOk.dpuf

A ASAE instaurou hoje cinco processos-crimes a empresas portuguesas por fraude sobre mercadoria e apreendeu 79 toneladas de carne contendo vestígios de carne de cavalo.
Em comunicado, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) adianta que foram também apreendidas, no comércio de retalho e distribuição 18.839 embalagens de produtos à base de carne, como por exemplo lasanhas, hambúrgueres, canelones e almôndegas.
Segundo a ASAE, os 79 mil quilogramas de carne e produtos à base de carne contendo carne de cavalo foram apreendidos em estabelecimentos industriais de preparação, embalamento e distribuição de carnes no comércio a retalho (grandes superfícies).
Este organismo de fiscalização refere também que a abertura dos cinco processos-crimes resultou na realização de 134 colheitas de amostras para análises laboratoriais para determinação da existência de ADN em carne de cavalo, tendo verificado, até ao momento, 13 resultados positivos.
A ASAE diz ainda que vai continuar com as ações de fiscalização neste domínio.
- See more at: http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3075836#sthash.L7FqvzOk.dpuf

sábado, 9 de fevereiro de 2013

0 Descoberta de carne de cavalo em lasanhas da Findus

A descoberta de que a marca de lasanha de vaca Findus continha até 100% de carne de cavalo agitou o Reino Unido e parte da Europa, noticiou a AFP.
A Agência de Segurança Alimentar britânica (FSA, na sigla inglesa) classificou esta descoberta de actividade criminosa e disse que os culpados devem ser punidos, enquanto escala o pânico entre os consumidores.
O primeiro-ministro britânico, David Cameron, considerou "completamente inaceitável" a situação.
O grupo sueco agroalimentar Findus testou 18 das suas lasanhas de carne congelada do seu fornecedor francês Comigel e detectou que 11 delas continham entre 60% a 100% de carne de cavalo, disse a FSA.
As lasanhas foram produzidas no Luxemburgo, mas a carne foi importada de França, onde foram colocados "rótulos fraudulentos" a designarem que era de vaca, referem as autoridades veterinárias.
Em França, a Findus disse que ia retirar três produtos, depois de terem sido detectadas quantidades significativas de carne de cavalo em lasanhas congeladas no Reino Unido.
O diretor de operações da FSA, Andrew Rhodes, considerou que esta situação poderá resultar de uma grande negligência ou de actividade criminal, mas salientou que não há qualquer evidência de que os produtos coloquem em risco a saúde pública.
"Estamos a testar uma larga variedade de produtos, incluindo em escolas e hospitais", disse Rhodes à rádio BBC.
Em declarações à margem do Conselho Europeu, em Bruxelas, Cameron disse que a situação é "muito chocante".
O escândalo rebentou há duas semanas, quando foram detectados vestígios de equídeo em hambúrgueres no Reino Unido e na Irlanda, países onde o consumo deste tipo de carne de cavalo é tabu.
Milhares de hambúrgueres foram retirados do mercado.
O consumo de carne de cavalo é mais comum em algumas partes da Europa, como a França, e em países da Ásia Central, China e América Latina.
O fornecedor Comigel tem a sua administração em Metz, no nordeste da França, mas os centros de produção estão no Luxemburgo.
A Comigel anunciou a retirada de todos os produtos da empresa que forneceu carne de cavalo em vez de carne e adiantou que os serviços veterinários em França e no Luxemburgo garantiram que está fora de questão qualquer problema de saúde pública.
A empresa fornece refeições congeladas às cadeias de supermercados e outros clientes em 16 países, como a Alemanha, Holanda, Bélgica e a maioria dos mercados da Escandinávia e à Findus.

0 Os horrores das comidas para animais domésticos!

Se lerem com atenção os rótulos das embalagens de comida para animais domésticos, provavelmente encontram uma série de ingredientes vagos e que não descriminam exactamente as origens dos mesmos. Atrás de palavras inocentes como “derivados de carne e peixe” ou “composto de carne” escondem-se verdadeiras práticas de manufactura dignas de um filme de terror que nos faria revolver o estômago.

É sobejamente conhecido e discutido que as empresas de produção de comida para animais domésticos utilizam perigosos conservantes e fortificações vitamínicas que na realidade tornam essa mesma comida menos saudável…

Mas o que são os misteriosos “derivados de carne”?

Comecemos pelo que habitualmente parecem ser as fontes primárias de proteínas nas comidas para animais domésticos: os derivados de carne, de peixe, de galinha, etc. Trata-se de um eufemismo para designar partes de animais que nunca seriam consideradas comestíveis por qualquer consumidor responsável. «Derivados de carne incluem a cabeça, patas, entranhas, pulmões, baço, rins, fígado, estômago, ossos, sangue e intestinos de animais ou partes incertas da carcaça não elegíveis para consumo humano,» escreve Henry Pasternak em Healing Animal’s with Nature’s Cures.
imagesCompostos de carne e derivados contêm partes da carcaça ultra-cozinhadas de forma a formarem uma pasta que não seria aceitável em lado algum para consumo humano. O horrível é que aqui estão incluídos animais de zoológico, animais que morrem na estrada e os chamados gado 4D (dead, diseased, disabled e dying – respectivamente mortos, doentes, deficientes ou moribundos). Um dos choques é quando a lista inclui animais como o cão e o gato… sim, os seus animais de estimação estão a praticar canibalismo sem saberem!
O autor de Fast Food Nation, Eric Schlosser, escreve: «Embora as fábricas líderes americanas prometam nunca ter incluído animais domésticos na composição do seu produto, sabem que é perfeitamente legal fazê-lo. Uma empresa canadiana, Sanimal Inc., utilizava 40000 libras de cães e gatos mortos na manufactura da sua comida para animais domésticos até terem publicamente declarado que o deixaram de fazer em Junho de 2001.» Esta companhia argumentou ainda que a comida era «boa e saudável», quando contraposta pelos críticos e activistas, mas que iriam mudar os procedimentos porque algumas pessoas ficavam «impressionadas e não gostam de a comida dos seus animais conter animais domésticos».

Como animais mortos na estrada acabam no prato do seu cão?

O processo que leva animais selvagens ou vadios mortos nas estradas, especialmente nos Estados Unidos, irem parar à comida para animais domésticos é igualmente horrível e desconcertante. Ann M. Martin descreve este processo em Foods Pets Die For: «Na fábrica de processamento uma máquina lentamente mói toda a carcaça. Depois este produto é cozinhado a temperaturas entre os 220 graus Fahrenheit e os 270 graus Fahrenheit durante 20 minutos a uma hora. A mistura é então centrifugada para que as gorduras subam ao topo e sejam retiradas. Estas gorduras são então a fonte animal na maioria das comidas para animais domésticos. Muitas vezes, quando abre uma lata convencional de comida para animais domésticos notará uma primeira camada de gordura (…) Após removida a gordura, o restante material centrifugado é seco. (…) Este material seco é habitualmente encontrado nas comidas secas para animais domésticos

Perigos químicos escondem-se na comida para animais domésticos…

O processamento destas comidas não é apenas chocante e desconcertante… é também perigoso para o seu animal de estimação. Os químicos usados na eutanásia de animais de zoológico, de veterinários e hospitais para animais resistem com facilidade ao processo citado acima de cozedura o que quer dizer que serão parte integrante da comida para animais em que são usados. Martin continua, «Gatos e cães mortos por eutanásia entram na composição, em conjunto com carcaças de origem duvidosa, para o processamento de derivados de carne. Isto pode ser problemático porque o sódio pentobarbital pode aguentar altas temperaturas. Durante anos, os veterinários e os defensores de animais estavam cientes do perigo potencial dos resíduos de sódio pentobarbital nas comidas comerciais para animais domésticos, e o perigo ainda não passou.» Em suma, isto significa que o que mata um animal está a ser usado para alimentar outro!
Agora que sabe que as produtoras de comida para animais domésticos vão até às últimas consequências para produzirem fontes de proteína da maneira mais barata possível não ficará surpreendido sabendo que os restantes ingredientes destas comidas não são melhores: grão apodrecido ou velho, celulose, conservantes ou complexos vitamínicos e minerais sem controlo. Em Healing Pets with Nature’s Miracle Cures, Henry Pasternak escreve, «Lembrem-se que as comidas para animais domésticos são processadas primariamente à base de dietas de cereais em grão. Estas comidas são fortificadas com vitaminas B sintéticas, causadoras de deficiências de vitamina B.» e Martin menciona em Foods Pets Die For que uma saca de comida de cão tinha tanto zinco que teve de levar o cão ao médico por ter adoecido rapidamente, levou então o saco a um laboratório independente para verificar o zinco quer estava 20 vezes mais presente do que o máximo recomendado a qualquer cão.

O que fazer com toda esta informação?

O animal doméstico é seu, e queremos apenas que saiba como as coisas são feitas. Fica a seu cargo o tratamento e bem estar do animal que por dever protege em troca de amor e companhia. Fazer comida para os animais domésticos nos dias que correm não é uma opção fácil para todos, mas a paz de espírito em tratar bem o seu fiel companheiro pode fazer toda a diferença!
Fonte: NaturalNews (a fonte contém as passagens no texto e língua original)

domingo, 20 de janeiro de 2013

0 Estaremos a viver numa ditadura agrícola e alimentar?

Sei que é difícil atrair a atenção dos leitores para um assunto como este: “sementes”. Mas das sementes e da liberdade de as plantar depende uma boa parte do nosso futuro porque 75% da biodiversidade agrícola foi extinta no século XX e as coisas não vão ficar por aqui.
 
O esmagador poder financeiro da indústria química quer multiplicar leis, por todo o Mundo, para impedir os agricultores de serem livres de usar as sementes não certificadas nas colheitas seguintes. A espiral é terrível: quanto menor produção agrícola com sementes ancestrais, pior comeremos.
Num filme notável chamado “Food Inc.” (Comida, Lda.) os autores mostram, por exemplo, como a multinacional Monsanto consegue perseguir e levar à falência vários produtores rurais. O argumento é simples: se no campo deste agricultor houver plantas cultivadas com sementes Monsanto e ele não for cliente da empresa, é processado por estar a usar sementes patenteadas, mesmo que elas tenham sido propagadas pelo vento e estejam misturadas com as suas. A natureza passou a ter ‘dono’.
A Monsanto é a mais importante empresa mundial produtora de transgénicos. Atrai os agricultores através de um marketing aliciador de melhores colheitas. Mas os alimentos obtidos a partir de sementes alteradas laboratorialmente, cujo ADN não é compreendido pelos organismos humano ou animal, arrastam interrogações que não compreendemos antecipadamente. Foi assim que se alimentaram herbívoros com rações à base de carne e se rompeu uma lei da natureza. Esta experiência foi um dos motivos apontados para o surto da doença das vacas loucas.
As culturas transgénicas estão já na mesa de pessoas de todo o Mundo. Surgem em coisas tão importantes como a alimentação dos bovinos (por exemplo, na carne importada do Brasil ou da Argentina), na soja, arroz, milho ou em algo tão simples como o mel produzido por abelhas próximas de campos transgénicos.

Um relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) dizia recentemente que a maioria dos alimentos consumidos no mundo ocidental provém apenas de 12 espécies de plantas e cinco espécies de animais, apesar de terem sido catalogadas milhares de espécies comestíveis. Pior: arroz, trigo e milho constituem 60 por cento da alimentação humana, sendo estes, na sua esmagadora maioria, provenientes de sementes tão apuradas que o nosso corpo já não ‘lê’ estes alimentos como “arroz”, “trigo” ou “milho”. Obviamente nem vale a pena falar da ‘fast-food’ ou da comida industrial.
Cristina Sales, uma médica que o Porto tem a sorte de ter por perto, escreve há vários anos sobre o caos da alimentação moderna e percorre o Mundo como oradora em conferências com este tema. E o que diz? “O nosso corpo tem um histórico de milhões de anos na absorção dos alimentos e está cada vez mais incapaz de reconhecer o que come. Não tem as enzimas necessárias à sua digestão e metabolismo. Por isso gera uma reação inflamatória contra os alimentos porque os considera ‘elementos estranhos’, como se fossem tóxicos. Essa é uma das razões porque tanta gente aumenta de peso ou de volume: porque retém líquidos nesse processo inflamatório. E isso afeta todas as pessoas, incluindo as magras”.
Jude Fanton, da organização “Seed saver (Salvar as Sementes)” disse há meses ao programa Biosfera, da RTP2 (com o qual trabalho) uma coisa simples: “Se nos recordarmos do sabor da comida dos nossos avós – as maçãs, os vegetais, etc. – eles tinham um sabor verdadeiramente forte e intenso. Isso significa mais nutrição. Essa é talvez a razão pela qual estamos a engordar. Temos de comer cada vez mais para conseguir os nutrientes de que precisamos”.
A ditadura agrícola e alimentar é este louco processo de quebrar as regras da natureza em busca de mais rentabilidade. Se fecharmos os olhos à origem dos alimentos, contribuímos gradualmente para uma vida cada vez mais tóxica. Essa perda de ‘liberdade de escolha’ e ‘biodiversidade essencial’ afeta o ADN humano que não deveríamos alienar numa só geração. Além disso, replica o modelo económico que supostamente queremos combater: os lucros ficam com as grandes multinacionais e as doenças em cada um de nós.
Artigo de Daniel Deusdado no Jornal de Notícias

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

0 NORTE-AMERICANA FDA PRESTES A APROVAR COMERCIALIZAÇÃO DE SALMÃO TRANSGÉNICO

Peixe produzido pela Aquabounty cresce duas vezes mais rápido do que o normal

A agência Food and Drug Administration (FDA), que regula e supervisiona a segurança alimentar e os medicamentos, afirmou que os salmões transgénicos, estão a ser produzidos pela empresa Aquabounty, é seguro como alimento e não causará grande impacto ambiental, abrindo assim a porta à aprovação do primeiro animal geneticamente modificado para consumo humano.

O salmão transgénico cresce duas vezes mais rápido do que o normal e os seus críticos já o baptizaram como “frankenpeixe” (alusão ao monstro de Frankenstein). Estes temem que o peixe possa causar alergias ou até dizimar a população natural de salmões se a variedade transgénica procriar na natureza. A FDA fará ainda uma consulta pública sobre o tema, mas especialistas acreditam que estas declaração foram o último passo antes da aprovação.

A empresa Aquabounty gastou mais de 67 milhões de dólares (aproximadamente 50 milhões de euros) para desenvolver este peixe, tendo igualmente desenvolvido medidas de protecção contra problemas ambientais. Uma delas é a criação de apenas fêmeas estéreis, ainda que uma pequena percentagem possa reproduzir-se, admitem.

Este salmão transgénico recebeu um gene da hormona de crescimento do salmão do Pacífico, que se mantém funcional o ano inteiro devido a outro gene de um peixe similar à enguia. A combinação permite que o salmão chegue ao peso ideal para venda em 18 meses em vez de três anos.

Ainda não se sabe se o público aprovará o peixe, mesmo dando a FDA o seu aval. Se o salmão entrar no mercado, os consumidores podem nem chegar a saber que estão a comprar peixe transgénico, já que o produto não será acompanhado de qualquer aviso, caso seja decido que possui as mesmas propriedades do convencional.
 

NOTÍCIA TUGA Copyright © 2011 - |- Template created by Notícia Tuga - |- Powered by Notícia Tuga