Mostrar mensagens com a etiqueta Eletricidade. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Eletricidade. Mostrar todas as mensagens

sábado, 4 de maio de 2013

0 Até a deco enche os bolsos a conta do Zé povinho

Deco pedia quase 9 milhões ao vencedor do leilão de electricidade

A Deco, que organizou um leilão de electricidade para tentar conseguir preços mais baixos, incluiu, nas condições da operação, uma taxa de 15 euros ao vencedor do leilão por cada cliente que contratasse os seus serviços, noticia a rádio Renascença, que adianta que, dos cinco potenciais fornecedores, quatro já rejeitaram participar.
A estação de rádio diz que a Deco exigia ao potencial vencedor do leilão de electricidade uma taxa de 15 euros por cada cliente que aderisse aos serviços. No total são quase nove milhões de euros.

EDP, Galp, Iberdrola e Gás Natural Fenosa já disseram que não iam participar no leilão, segundo a Renascença. Falta saber o que decidiu a Endesa, já que a estação de rádio não conseguiu contactar.

A Renascença adianta que esta taxa incluída do processo pela Deco chegou a ser de 30 euros, tendo baixado para 18 euros e, posteriormente, para 15 euros por cliente.

A Deco vai apresentar esta sexta-feira os resultados do leilão de electricidade realizado na última quinta-feira. No total, aderiram 587 mil pessoas a esta operação da Deco, o que eleva para 8,8 milhões de euros o encaixe potencial da associação de defesa do consumidor.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

0 Fatura da luz vai aumentar a cada 3 meses

A mais de dois anos de se concluir a migração para o mercado “livre” de eletricidade e a liberalização já está a fazer disparar a fatura. A partir de Julho, para “empurrar” os clientes para o mercado desregulado, a conta da luz vai aumentar de três em três meses.



A partir de Julho, cerca de um milhão de casas vai ver a sua fatura com a eletricidade aumentar a cada três meses. O diploma, que pretende “empurrar” os clientes do mercado de energia regulado para as tarifas no mercado livre, foi ontem publicado e é mais um passo para a liberalização do mercado energético previsto no memorando assinado com a troika.
Quem quiser permanecer no mercado regulado - que continuará a existir enquanto se processa a transição para o mercado livre, em Janeiro de 2015 – verá as suas contas sofrer um “fator de agravamento”. As tarifas de transição, que serão fixadas pela Entidade Reguladora do Sector Elétrico (ERSE), pretendem garantir que a fatura mensal de quem tem um contrato “tradicional” com a EDP nunca seja inferior ao dos clientes que aderiram ao mercado liberalizado de energia.
Neste momento há apenas 350 mil clientes no mercado liberalizado e quase sete milhões no mercado regulado. Sucede que, como a DECO chama a atenção, apenas existem duas empresas a operar neste mercado e as tarifas estão longe de ser competitivas. Para lá da reduzida competição existente, também a diversidade de planos tarifários à disposição do cliente é posta em causa num mercado onde nem existe tarifa bi-horária.
Em declarações ao Correio da Manhã, Vítor Machado, da Deco, diz que “isto é um empurrão para o mercado liberal”. No entender da associação de defesa dos consumidores, “a transição só deveria ocorrer quando houvesse concorrência e os clientes encontrassem tarifas interessantes, o que não acontece porque há poucas empresas no mercado liberal”.
Em Julho, com o arranque do aumento progressivo das tarifas, serão abrangidos pelo primeiro aumento um milhão de clientes com potência superior ou igual a 10,35kVA.

0 Eletricidade vai subir 2,8% para quem continua no mercado regulado

No âmbito do processo de liberalização do mercado da eletricidade, as tarifas deverão aumentar 2,8 por cento a partir de Janeiro, para os consumidores domésticos, de acordo com a proposta apresentada esta segunda-feira pela ERSE. Em Abril será anunciada nova tarifa transitória, ou seja, novo aumento.

Esta é a primeira tarifa transitória proposta pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), no âmbito do processo de liberalização do mercado de eletricidade, divulgada esta segunda-feira em comunicado. Irá vigorar até 31 de março do próximo ano, altura em que o regulador voltará a anunciar uma outra tarifa transitória de 1 de abril até 30 de junho e assim sucessivamente, trimestre a trimestre até final de 2015.
Na prática, 2013 será o primeiro ano em que deixa de haver tarifa regulada, exceto para os consumidores economicamente vulneráveis e isso significa que, para quem se mantém no mercado regulado (ou seja, com a EDP Serviço Universal) as novas tarifas serão transitórias e tenderão a aumentar.
Para já, a subida significa um aumento de 1,24 euros por mês, numa fatura de cerca de 47 euros. Este cenário abrange a maioria dos consumidores domésticos, mais de cinco milhões de pessoas.
Relativamente à tarifa social, a ERSE propõe um aumento de 1,3 por cento para os consumidores considerados economicamente vulneráveis, que, segundo as contas do regulador, implica uma subida de 30 cêntimos numa fatura mensal de 23 euros, sendo que este valor irá vigorar durante todo o ano de 2013, ao contrário da tarifa transitória que tem uma validade de três meses.
As novas variações de preços para a eletricidade, hoje anunciadas, aplicam-se também aos Açores e à Madeira. Mas no caso das regiões autónomas, mantém-se a tarifa regulada e estes valores só irão ter alterações no início de 2014.
Já no que respeita aos consumidores domésticos que passaram para o mercado liberalizado e não estão sujeitos à tarifa transitória, as variações sentidas no início do próximo ano poderão ser diferentes. Todavia, a verdade é que as ofertas em mercado têm acompanhado de perto os preços definidos pela ERSE, sendo calculadas com base num desconto face aos primeiros.
A entidade reguladora indica que para esta decisão tiveram principalmente influência os custos da energia, os apoios à produção em regime especial (que inclui além das renováveis a cogeração), e diversas medidas legislativas no âmbito do sector que já entraram ou vão ainda entrar em vigor.
Os valores apresentados serão ainda analisados pelo Conselho Tarifário, que representa os consumidores de eletricidade e empresas do sector, e a decisão definitiva será anunciada a 15 de Dezembro.
 

NOTÍCIA TUGA Copyright © 2011 - |- Template created by Notícia Tuga - |- Powered by Notícia Tuga