Mostrar mensagens com a etiqueta Farmácias. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Farmácias. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

0 A desonestidade da indústria farmacêutica

Sem ética alguma, a indústria farmacêutica omite dados das pesquisas e induz as pessoas a consumirem remédios ineficazes ou danosos.

Para saber se um remédio ou tratamento é eficaz, realizam-se testes aleatórios controlados. O medicamento testado, um placebo ou outra droga, é ministrado aleatoriamente aos participantes. Nem os pesquisadores nem os participantes sabem quem tomou o quê. Monitorizam-se os sintomas, os efeitos colaterais e outros indicadores. Depois de certo tempo, o pacote é aberto e ficamos a saber o que tomavam os diferentes participantes. No entanto, embora muitas pessoas (geralmente os fabricantes) digam que há muita pesquisa por trás de uma substância, geralmente a pesquisa publicada só conta parte da história.

Há pouco tempo, os resultados das pesquisas com a sinvastatina e a ezetimiba, utilizadas nos Estados Unidos para reduzir o colesterol, tiveram de ser extraídos à força dos laboratórios que as produziram. Foram precisos dois anos para que os fabricantes entregassem os resultados após a conclusão dos testes. Depois da divulgação das informações, pôde-se entender o porquê da demora: a combinação das duas drogas é ineficaz na redução dos sintomas de doenças cardiovasculares e estudos posteriores apontaram resultados negativos.

A indústria farmacêutica deseja publicar só as pesquisas que apoiem o uso dos medicamentos e que deixem de lado os resultados negativos. Existe uma expressão para esta prática: ‘viés de publicação’.

O ‘viés de publicação’ já existe há décadas, mas só há pouco tempo membros da comunidade científica tomam providências para acabar com ela. Um passo importante neste sentido foi a decisão dos Estados Unidos de que as análises de drogas sejam registadas num banco de dados central, antes ou durante a análise. Assim, o estudo é registado, e se os resultados misteriosamente ficarem ocultos, isto poderá ser questionado.

O caso de um antidepressivo

É natural perguntar como é possível que muitas drogas ganhem reconhecimento com base no ‘viés de publicação’. Pesquisadores honestos estão dispostos a enfrentar esta questão e reavaliar o uso de medicamentos baseados no que foi publicado, e também no que foi omitido.

A 12 de Outubro, o British Medical Journal divulgou um caso no website: pesquisadores alemães decidiram avaliar as informações publicadas e omitidas sobre o antidepressivo reboxetina, medicamento relativamente novo

A reboxetina ajuda a manter os níveis de noradrenalina no cérebro, substância que, conforme se crê, melhora o humor, e é semelhante aos antidepressivos mais comuns.

Pesquisas publicadas anteriormente mostram que a reboxetina é mais eficiente que o placebo nos tratamentos da depressão. O uso foi autorizado em muitos países europeus, inclusive no Reino Unido, Alemanha e Portugal, desde 1997. No entanto, os pesquisadores descobriram que mais da metade das informações sobre a reboxetina deixaram de ser publicadas. Ao se avaliar todas as informações, concluiu-se que a reboxetina é similar ao placebo, mas causa mais prejuízos à saúde devido aos efeitos secundários. Os pesquisadores concluíram que a reboxetina é “um antidepressivo ineficaz e potencialmente prejudicial”. No entanto, seu uso foi autorizado por toda a Europa há mais de uma década.

Os autores da análise observaram que, no Reino Unido, o Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica (INSEC) descreve a reboxetina como “superior ao placebo e tão eficaz quanto outros medicamentos usados no tratamento da depressão”. Nos Estados Unidos, a reboxetina foi autorizada a princípio, porém depois revogou-se a licença. A diferença em relação a países da Europa sugere que as autoridades americanas possuíam mais informações nas quais basearam sua decisão, ou talvez possuíssem diferentes critérios para conceder licenças.

Estas discrepâncias e este flagrante exemplo de ‘viés de publicação’ inspiram desconfiança. A boa notícia é que pelo menos um grupo de pesquisadores não se conforma em trabalhar apenas como mandam os investidores da indústria farmacêutica, mas realmente se esforçam por alcançar a verdade. Com certeza, encontraremos muito mais corruptos nos próximos anos ao levantar apenas um pouco o tapete. A má notícia? Bem essa é a cada vez mais evidente ultra-medicação da população com base apenas no lucro!


terça-feira, 5 de agosto de 2014

0 Filho de doente de parkinson tem de ir a Espanha comprar medicamento que em Portugal não existe ( Video)

A intenção deste vídeo não é criar peditórios é apenas com a intenção de mostrar o país real. Eu dou a cara para mostrar a merda de pais que temos pela consequência dos maus governantes e os seus interesses obscuros. Para mim é o início de um extermínio dos mais desfavorecidos.
E conto na 1 pessoa.
Agradeço a partilha.
Obrigado a todos.


Este vídeo relata mais uma viagem a Espanha para comprar um medicamento que simplesmente deixou de ser comercializado em Portugal. 
O medicamento é para o tratamento de PARKINSON UMA DOENÇA CRÓNICA .


Ismael Sousa




 

NOTÍCIA TUGA Copyright © 2011 - |- Template created by Notícia Tuga - |- Powered by Notícia Tuga