Mostrar mensagens com a etiqueta Internet. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Internet. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 19 de maio de 2015

0 Como saber se o seu wi-fi está a ser roubado (e o que fazer)

Nove da noite e, como em todos os outros dias, quer ver um novo capítulo da série favorita através de algum serviço de streaming no computador. Mas a conexão com a Internet sem fio parece ficar lenta neste exacto momento.

«Não é normal», você pensa. E a situação piora. «Não carrega. Por que não carrega?», diz alto. Até que, sem conseguir ver nada, desiste.
Se esta situação ocorre com frequência, é preciso pensar na hipótese de alguém estar a usar a sua rede wi-fi sem que saiba. Abaixo, dicas para descobrir se a sua Internet está a ser furtada e como evitar isto.
1 - Suspeita
A primeira pista de um possível furto de wi-fi é simples: se a Internet ficar mais lenta em algumas horas do dia ou se ficar lenta de forma recorrente.
A segunda pista virá do router. É preciso apagar completamente todos os dispositivos sem fio da sua casa. Se uma das luzes do router, destinada ao wi-fi (às vezes indicada como WLAN) continuar a piscar, é possível que esteja a ocorrer o furto.
2 - Descubra o ladrão
Se a suspeita já existe, é preciso antes descartar outras possibilidades, como estar a usar uma rede sem fio com pouca velocidade, excesso de computadores ligados a ela ou até mesmo obstáculos físicos ao seu wi-fi.
Para descartar estas possibilidades, especialistas recomendam instalar no computador, smartphone ou tablet um programa ou aplicação que mostre os dispositivos ligados à sua rede.
Existem várias opções gratuitas, como o Fing, para Android e iOS; Network, Discovery ou Net Scan, apenas para Android; e IP Network Scanner ou iNet, para o iOS.
Também há opções para computadores de escritório: Angry IP Scanner ou Wireshark para várias plataformas e Wireless Network Watcher e Microsoft Network Monitor para os dispositivos da companhia de Bill Gates.
Todos eles mostram quantos dispositivos estão conectados à rede sem fio, cada um identificado com um endereço IP.
Se a aplicação ou programa escolhido indicar que há mais dispositivos conectados à sua rede do que os que você tem, há um ladrão de wi-fi por perto.
3 - Veja se alguém se conectou enquanto você não estava
Os programas e aplicações citados acima detectam possíveis intrusos na sua rede wi-fi, mas apenas se estiverem a usar a sua rede ao mesmo tempo que você.
Mas há formas de saber se alguém se conectou ao seu wi-fi enquanto você não estava em casa.
Para isto, você precisa de uma informação do router: o endereço IP, uma série de números separados por pontos, de três em três.
É possível encontrar este número no manual do router ou então no próprio computador. Se tem um Mac, basta clicar no ícone de wi-fi e ir até o «abrir centro de redes e recursos partilhados» no menu, depois ir até «conexão de área local» ou «conexão de rede sem fio».
Vá até «detalhes», onde outra janela irá abrir-se. O endereço IP identificado como «porta de link pré-deteminado IPv4» é o endereço IP do seu router.
Se o seu computador é Windows, vá até a «busca» e digite «ipconfig/all», depois «conexão LAN sem fio» e, por último, «endereço físico». Assim, poderá obter o endereço do router.
É necessário colocar esse número no seu navegador, desta forma poderá aceder à rede do router.
Após escrever a senha, você vai descobrir um registro das conexões feitas até este momento na sua rede wi-fi.
4 - Proteja a sua rede
Talvez tenha deixado a sua rede sem fio aberta para que todos os membros da família possam ligar-se. Ou talvez foi um descuido, ou algum vizinho usou alguma aplicação para descobrir as suas senhas de wi-fi.
Seja como for, ter um intruso no seu wi-fi pode causar mais problemas do que pensa. Eles podem ter acesso a informações armazenadas em computadores conectados à sua rede e, em casos mais extremos, podem cometer um crime em seu nome, como fazer o download de pornografia infantil, por exemplo.
Para evitar tudo isso, a primeira coisa a fazer é mudar a senha do wi-fi. Substitua sempre por alguma mais complexa.
James Lyne, da companhia especialista em segurança em Internet Sophos, recomendou à BBC evitar o uso de apenas uma palavra na senha. O melhor é combinar letras e números.
«É mais seguro 'AmoMuitoBBCBrasil123' do que 'BBCBrasil'», afirmou.
Para o especialista, outro truque para uma senha segura é pensar na letra da sua música favorita e escolher um excerto.
«Assim, a sua senha será muito maior e realmente difícil de decifrar», acrescentou.
Uma vez que mudou a senha, também poderá configurar o router para que permita apenas a conexão de dispositivos com endereços MAC concretos.
Com isso, será mais difícil aceder à sua rede wi-fi e talvez nunca mais precise de se preocupar se vai conseguir ou não assistir à sua série favorita.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

0 HÁ FOTOGRAFIAS DOS NOSSOS FILHOS QUE NÃO PODEM ESTAR NA INTERNET

«Há fotografias dos nossos filhos que não podem estar na internet. Não podem ou não devem, dependendo da vossa opinião sobre o nível de segurança, a que devem sujeitar a exposição das fotografias dos vossos rebentos.

Hoje li este post, e tratando-se da segurança dos nossos filhos em temas que tão sensíveis como pedofilia e/ou rapto, achei obrigatório trazê-lo para a Up To Lisbon Kids, para chegar ao maior numero  de leitores possível.
Não é nada que não saibamos e que não estejamos alerta, mas por vezes tornamo-nos descuidados mesmo com o que nos é mais importante na vida. Será que está a seguir à linha as instruções de segurança, quando se trata de colocar fotografias dos seu filhos na internet?
«Há fotografias dos nossos filhos que não podem estar na internet. Não podem ou não devem, dependendo da vossa opinião sobre o nível de segurança, a que devem sujeitar a exposição das fotografias dos vossos rebentos.
Estive a pesquisar um pouco depois de falar com uma entendida nesta matéria, muito minha amiga mas que não se quis deixar identificar, e os conselhos que encontrei foram comuns. Resolvi então partilhar alguns destes alertas convosco.
Julgo que já devem saber sobre os perigos de fotografar as vossas crianças com dispositivos móveis mas ainda não vos tinha escrito sobre as precauções que devemos ter ao partilhar fotos na net.
Apresento-vos hoje meia dúzia de cuidados a ter, ao partilhar fotografias de crianças:
1 – Fotografias de bebés só de fralda, nus ou a tomar banho.Muitas vezes estes retratos são raptados por verdadeiros pedófilos e colocados a circular em várias redes criminosas. Lembre-se que pode acontecer com qualquer uma de nós e já se descobriram inúmeros episódios destes em Portugal.
2 – Fotografias de crianças com a farda do colégio.Já cometi esse erro, aqui me confesso. Neste caso foi no Facebook e já lá fui apagar. Através da farda facilmente se identifica a escola e por vezes até o ano que frequentam. Se um criminoso tiver acesso ao nome dos pais, da criança e da escola… o resultado pode não ser positivo. É só uma questão de não nos “pormos a jeito”.
3 – Fotografias com pistas sobre a morada da criançaSempre que fotografem os vossos filhotes perto de casa, tenham o cuidado de não captar prédios, nomes de lojas ou montras que possam denunciar o sitio onde mora. Pelo menos nas fotografias que tenciona partilhar na web.
4 – As fotografias que os seus filhos não quererão ver divulgadas quando forem mais crescidos.Todas sabemos que o bulling está na ordem do dia e sempre que partilharmos alguma gracinha dos nossos filhotes, devemos ter em conta que eles poderão não achar graça alguns anos mais tarde. Ou pior, poderão outros tentar aproveitar-se dessa exposição exagerada.
5 – Fotografias de crianças sem que os pais tenham autorizado.Imaginem que uma “amiga” de uma amiga resolve partilhar a fotografia do vosso filhote numa daquelas páginas com um número gigante de fãs. A proliferação da dessa foto pode vir a ser quase infinita. É impossível poder depois controlar ou contactar as pessoas que tiveram acesso a ela. É quase como publicar uma fotografia de uma criança num jornal de grande tiragem, sem pedir permissão aos encarregados de educação. Digo é quase pois é pior. Uma fotografia na internet pode chegar mais longe que qualquer capa de jornal em papel.
6 – Fotografias com identificações de GPS.Muitos dos telemóveis com GPS, se não desligarmos essa função, tornam publico, no vosso Facebook ou Instagram, o local de onde vocês estão a partilhar as fotografias. Já pensou que um ladrão ou um raptor poderá ter acesso aos seus passos ou antecipar o horário das suas deslocações?
Entretanto, nas minhas pesquisas descobri no Diário Digital, que a Polícia Judiciária recebeu em média, em 2012, seis participações por dia de crianças e jovens desaparecidos em Portugal. (não encontrei dados de 2013)
Para terminar, pergunto a todas as que se dizem mães responsáveis, se vão continuar a alimentar os vossos Facebooks, Blogues, Instagrams e afins, com fotografias em condições apetecíveis a qualquer pedófilo ou raptor mal intencionado?

Quem sou eu para criticar seja quem for, aliás fiz questão de admitir que algumas vezes, sem pensar, cometi várias destas imprudências. Mas, na minha opinião, depois de termos acesso a este “lembrete”, deveríamos minimizar todo e qualquer risco desagradável, principalmente quando se trata das  fotografias dos nossos filhos. Não acham?

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

0 Vídeo com sexo é nova ameaça no Facebook

Há mais um esquema a ameaçar a privacidade dos utilizadores do Facebook. Desta vez trata-se de um vídeo viral que alicia os utilizadores com imagens de sexo entre um polícia e uma cheerleader (membro de claques de apoio desportivo). Quem clicar no vídeo não chega a ver as imagens e vê-se envolvido num esquema 'hoax' – nome dado a histórias falsas que circulam na Internet – em que os seus contactos pessoais são roubados.
O vídeo tem o nome de ‘Police Officer Caught Having Sex With Cheerleader’ ('Polícia apanhado a ter sexo com uma Cheerleader', em português) e pede aos utilizadores do Facebook que cliquem e partilhem o link, avança a Sophos, uma empresa que desenvolve software e hardware de segurança para a Internet.


 


 (Publicação do esquema que circula no Facebook)

Ao ceder à tentação de ver o vídeo, o utilizador é conduzido para uma página idêntica ao Facebook assim que clica no link e vai poder ver comentários falsos à publicação com o objetivo de aumentar a credibilidade do embuste. Quando fazer ‘share’, os utilizadores permitem que os autores do esquema tenham acesso aos seus contactos virtuais e ainda lucrem monetariamente com cada clique conquistado.


Dez formas de aumentar a privacidade no facebook :

Controle as pessoas que os seus amigos do Facebook identificam nas suas fotos. Pode fazer com que as identificações não fiquem visíveis imediatamente e precisem da sua autorização     

Não deixar que todos vejam as suas informações e contactos. Sempre que alguém o incomodar, recorra à opção ‘bloquear contacto’ e o transtorno não se voltará a repetir 

Tenha em conta que há pormenores obrigatoriamente públicos e que exigem o dobro do cuidado da sua parte, como por exemplo: o nome, a foto de perfil e de capa, o nome da sua conta e o ID de utilizador (número que identifica a sua conta)

Apenas pessoas em quem confie devem ver as suas atualizações

Pode fazer com que todas as suas publicações antigas passem a ser privadas 

Veja aquilo a que as outras pessoas podem ter acesso no seu perfil através da opção ‘ver como uma pessoa específica’

Pode impedir que outras pessoas publiquem no seu perfil do Facebook

Evite ser marcado em fotos e publicações que não quer

Não ponha ‘gosto’ nas páginas de fãs das suas marcas preferidas no Facebook. Em ações de promoção, essa marca pode usar o seu 'gosto' para incentivar os seus amigos a aderirem à página

Controle o que as aplicações publicam na sua ‘timeline’

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

0 Falha de segurança no iPhone permite acesso não autorizado à aplicação de chamadas

Com acesso podem-se fazer chamadas pelo telefone sem que se saiba o código de desbloqueio do telemóvel.
Esta falha já tem tem algum tempo e permite aceder à lista de contactos das últimas chamada e efectuar comunicações.
A Apple até ao momento não efectuou qualquer update para corrigir esta falha de segurança.


 Existe um vídeo no YouTub que mostra como usar esta falha, que combina o uso da chamada de emergência com uma sequência de tarefas que devem ser executadas numa ordem específica:


Jailbreak pode “resolver” bug

“Fazer” Jailbreak a um iPhone significa que se podem instalar aplicações com outro tipo de funcionalidades sem pasar pela App Store. Embora a Apple não forneça suporte para estes equipamentos com Jailbreak, ironicamente é com este que o problema se resolve. Existe uma aplicação para desactivar a chamada de emergência quando o teclado está bloqueado, o que vai basicamente fazer com que esta falha impossível de ser efectuada.
A Apple até ao momento ainda não corrigiu este problema no entanto foi indicado ao site AllThihgsD que estavam “a trabalhar” numa correção a ser entregue num próximo update.
Recenemtente com o lançamento do iOS 6.1 vários utilizadores têm-se queixado de sobreaquecimento na bateria ou de problemas em realizar chamadas, não sendo este o melhor mês para a Apple, que culmina nesta falha de segurança.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

0 Prepare a privacidade da sua conta de Facebook para a nova Pesquisa no Gráfico Social

Sempre que o Facebook lança uma nova ferramenta para saber mais sobre os nossos amigos, muitas pessoas percebem que as suas configurações de privacidade não são as mais adequadas. O mais recente recurso, a Pesquisa no Gráfico Social, não é excepção – muitas pessoas estão um pouco preocupadas com o tipo de coisas que poderão ser encontradas e por quem. E se não estão, então deviam!!

facebook-iconFelizmente, tudo o que preciso é um pouco de compreensão sobre como funciona esta nova pesquisa e assim poderá ajustar as suas configurações de privacidade em conformidade. Hoje, vamos entrar um pouco em detalhes sobre o que é exactamente a «Pesquisa no Gráfico Social» e os tipos de coisas curiosas que podem ser descobertas sobre nós. Em seguida veremos como verificar as configurações de privacidade em antecipação à plena implementação da Pesquisa no Gráfico Social.

O que é a «Pesquisa no Gráfico Social»?

Pesquisa no Gráfico Social é uma nova forma de procurar informações sobre o Facebook, que usa a linguagem natural e devolve resultados num largo espectro de coisas. Por exemplo, o Facebook sugere que você gostaria de fazer uma busca por “Pessoas que gostam de ciclismo e vivem no Porto, Portugal”.
Também será possível fazer uma pesquisa semelhante para “Meus amigos que gostam de ciclismo e vivem em Porto, Portugal”. Isto significa que pode descobrir rapidamente quais dos seus amigos deve contactar a fim de andar de bicicleta com eles enquanto se está no Porto.
depois de portugal
Como pode ver, a Pesquisa no Gráfico Social utiliza informações sobre a localização das pessoas, Páginas que gosta, outros “Gostos”, lugares, fotos, educação, trabalho, cidade natal, Timeline e muito mais. Além disso, como toda esta informação é protegida por uma variedade de configurações de privacidade, pesquisas realizadas por pessoas diferentes irão produzir resultados diferentes. Isto é devido às configurações de privacidade de amigos e desconhecidos para cada parte do seu perfil. Somente coisas que estavam disponíveis anteriormente para uma determinada pessoa poderá ser visto através da Pesquisa no Gráfico Social, no entanto, podem encontrar essa informação mais facilmente agora.

Quais são as configurações de privacidade que são susceptíveis de criar mais problemas?

Como agora será mais fácil de encontrar informações no «mar de dados» no Facebook, estranhos e amigos também serão então capazes de encontrar informações sobre nós mais facilmente. Pessoalmente, recomendamos que todos os utilizadores verifiquem as suas configurações de privacidade para a sua localização actual, cidade natal e marcação de lugares, pois estes podem rapidamente levar uma pessoa a sua localização física actual.
depois de fisica
A próxima coisa mais importante a fazer é rever fotos de si mesmo. No Facebook, há também um pouco de confusão com a privacidade das fotos. A privacidade de qualquer foto é determinado pela pessoa que fizer o upload da foto. As configurações de privacidade definidas para as fotografias em que estão marcados determinará quem mais poderá ver a foto, mas esta configuração não pode parar alguém que já poderia ver a foto de a continuar a ver.
Por exemplo, se o seu primo carregou fotos suas e as tornou visíveis para todos os amigos dele do Facebook, todos os amigos do Facebook do seu primo serão sempre capazes de ver a foto apesar das suas configurações de privacidade. Mesmo que tenha definido a sua privacidade para garantir que seus avós não possam ver fotos suas em que está marcado, eles ainda serão capazes de ver as fotos colocadas pelo seu primo, se o seu primo for amigo deles no Facebook.
Pode sempre remover a tag, embora isso pouco fará para o ajudar nesta circunstância. A melhor coisa a fazer seria pedir aos seus amigos para definirem melhor as configurações de privacidade sobre as fotos em que aparece ou mesmo para as remover completamente.
depois de remover foto
Igualmente importantes são as definições para o trabalho e educação, posts anteriores e atividade. Verifique o seu registo de actividades para ver o que é visível e fazer as alterações que desejar (ir para https://www.facebook.com/YOUR-PROFILE/allactivity).
depois de allactivity
Reveja os seus «gostos» e remova ou altera as configurações para qualquer coisa que não queira que as pessoas vejam. Páginas que gostou anteriormente foram alteradas para públicos por “defeito” há um tempo atrás, mas agora podem ser menos «públicos». Portanto, é vital que altere as configurações de privacidade ou retire o «gosto» de tudo que preferir ficar privado. Como muitas pessoas foram “gostando” de actividades, programas de TV, filmes e música anteriormente a terem ficado “publicos”, isto é importante rever.
Para editar as configurações de “gostos”, vá a sua cronologia e clique em “Gostos” e depois em “Editar”. Cada categoria de Gostos tem uma configuração de privacidade diferente, assim pode ajustá-la como quiser. Não se esqueça de clicar em “Edição concluída” quando terminar, a fim de gravar as suas configurações.
depois de edicao concluida
Para além disso, note que menores têm algumas configurações bloqueadas para uma exposição máxima de amigos ou amigos de amigos (que também são menores).

Como faço para corrigir e verificar minhas configurações de privacidade?

O Facebook tem um novo menu de navegação de privacidade que é acessível através dum pequeno ícone cadeado no canto superior direito de qualquer página no Facebook. O menu faz com que seja fácil de verificar suas configurações de privacidade, para aceder ao registo de actividade e para aceder ao menu de privacidade completa. Isso também permite que visualize rapidamente a sua cronologia como uma outra pessoa para verificar o que eles podem ver.
depois de como os outros veem
Como viu acima, para as configurações de privacidade de “Gostos”, agora é possível editar as configurações de muitos outros itens na sua cronologia da mesma forma. Vale a pena conferir cada secção da sua cronologia e garantir que as coisas são tão privadas como pretende, em particular a secção “Sobre” e a secção “amigos”.
depois de secçao de amigos
Não se esqueça de que as configurações de privacidade pode ser “configurada” usando listas de amigos criadas por si. Vale a pena a criação de algumas listas de amigos para ajudá-lo a gerir a sua privacidade e a forma como é feita de forma diferente para grupos de amigos definidos por si.

O que mais devo saber?

O Facebook criou o seu próprio guia para a privacidade no Facebook e Privacidade da Pesquisa no Gráfico Social e vale a pena ler. Em particular, aqui poderá ver os tipos de fotos que podem ser encontrados através deste novo tipo de pesquisa e o que não é visivel na sua cronologia. Estas são aqueles que deve rever e discutir com a pessoa que os carregou.
depois de fim

Por Angela Alcorn – Makeuseof

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

0 DNS.PT não deixa expirar domínios do Governo Português

O domínio marcasepatentes.pt devia ter expirado hoje. Não expirou. Mais um domínio do Governo a ignorar regras de pagamento e de registo de domínios.
Segundo apurou o Tugaleaks, todos os domínios do Governo Português que expirem, a FCCN, detentora da gestão dos domínios .pt, mantém-nos activos.

DNS.PT não deixa expirar domínios do Governo Português

Já por duas vezes nos queixamos desta situação: uma no cavacosilva.pt já resolvida, e outra no fct.pt que ainda está por resolver.
Conforme anunciamos anteriormente, o Tugaleaks está na posse de informação sobre vários domínios .PT que expiraram e estão ainda activos. Isto é contra as regras dos domínios .PT e causa transtorno a qualquer cliente que pretenda comprar um domínio que esteja indevidamente online.
Seguimos a lógica e embora o DNS.PT nos tenha indicado que não existe uma “lista interna de excepções” conseguimos, chegar à conclusão de que tal não é completamente verdade.
O domínio fct.pt permanete ainda expirado, após aviso directo há dois dias ao DNS.PT e denúncia no nosso site há duas semanas. Mas hoje, voltou a supostamente “expirar” um domínio,
Pertencente ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI e o domínio marcasepatentes.pt devia ter expirado hoje de madrugada (ver whois), como outros não governamentais que o Tugaleaks estava a monitorizar o foram. Mas, não é de surpreender, tendo em conta que é um domínio do Governo de Portugal, que também não expira como todos os outros.
O Tugaleaks tem vindo a afirmar que esta prática tira honra a quem tem domínios .PT e acima de tudo faz com que a confiança num serviço deste Governo seja perdida (como se não houvessem razões para se perder a confiança no Governo).
Assim e no contexto da denúncia pública da situação, solicitamos uma audiência à Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura, onde vamos apresentar estas e outras informações que fazem do registo de domínios actual e da sua chefia, uma organização perigosa para o futuro da Internet.
Vamos também ponderar uma queixa ao ICANN por práticas “além das regras” que o serviço DNS.PT está a efectuar.

DNS.PT com certificado SSL expirado

Como se tudo o que indicamos não fosse suficiente, já desde ontem às 15h que o DNS.PT tem um certificado SSL expirado. Ao contactar para a linha de apoio a clientes, dizem que “pode carregar em continuar sem segurança”. Basta entrar no site e confirmar.

DNS.PT não deixa expirar domínios do Governo Português
O certificado SSL é algo que, expirado, embora continue em parte a proteger a ligação, torna este aviso pouco digno de uma empresa de comércio eletrónico. Este é apenas mais um pouco desfavorável ao serviço DNS.PT que há meses sucessivos continua a brincar com os dinheiros públicos.

0 O seu perfil do Facebook pode ser um sinal de doença mental


Há uns meses, alguns especialistas afirmaram que não ter perfil no Facebook seria considerado estranho por patrões e psicólogos. Agora, um estudo norte-americano revela que o conteúdo do perfil é um espelho da saúde mental dos utilizadores.

De acordo com o estudo da Universidade do Missouri, citado pelo Mashable, publicar uma vez por hora ou uma vez por mês indica o estado mental em que a pessoa se encontra. E toda a gente tem aquele amigo do Facebook que partilha em demasia, que escreve só em maiúsculas como se estivesse a gritar ou que publica fotos estranhas com legendas apocalípticas.
Os investigadores universitários estudaram 200 estudantes para examinar os seus níveis de extroversão e defesa de crenças estranhas. Depois, pediram-lhes que imprimissem o seu feed do Facebook, com a opção de censurarem partes da Cronologia que não achassem adequadas.
O que eles optaram por esconder foi precisamente o que revelou informações sobre o estado psicológico, de acordo com a investigadora Elizabeth Martin.
Alguns estudantes evidenciaram anedonia social, uma incapacidade de sentir prazer com a comunicação e interação com outros. Os sintomas iam do desligamento social a crenças estranhas, e essas mesmas pessoas eram as que publicavam menos fotos, comunicavam menos frequentemente via Facebook e tinham uma rede com menos amigos.
Outros deram sinais de paranoia, tendo em conta a quantidade de informação que esconderam do seu perfil. 
A ideia do estudo surgiu de uma conversa entre Elizabeth Martin e o co-autor  Drew Bailey, que não tem perfil no Facebook. Os dois iniciaram uma discussão sobre os conteúdos do perfil e a correlação com a psicologia.

"A internet representa uma nova forma de estudar a psicologia humana, porque pode aperfeiçoar alguns dos preconceitos pessoais associados a relatórios tradicionais", disse Martin ao Mashable.
"Por causa da ideia real ou imaginária de anonimato, a internet pode permitir um acesso único à psique. A informação da rede social de uma pessoa pode ser entendida como um exemplo do seu comportamento natural."

Martin diz ainda que o estudo é um primeiro passo para usar a informação de forma complementar à análise clínica.

sábado, 26 de janeiro de 2013

0 eBay proíbe venda de brinquedos inspirados no filme 'Django Libertado'

O gigante de vendas na Internet eBay proibiu a venda no seu 'site' de brinquedos inspirados no último filme de Quentin Tarantino, "Django Libertado", um violento 'western' sobre escravatura, que qualificou de "ofensivos".
Segundo o 'site' sobre celebridades TMZ.com, o fabricante dos bonecos interrompeu a sua produção, após protestos de associações de defesa dos direitos dos negros.
Uma porta-voz do eBay, Kari Ramirez, confirmou à agência France Presse que a venda dos brinquedos estava interdita no 'site'.
"Foram retirados porque violavam o nosso estatuto sobre os objectos ofensivos", explicou.
O eBay alerta que proíbe "os objetos que incitam ao ódio, à violência, à intolerância racial e religiosa ou com origem em organizações que defendem aqueles comportamentos".
"Django Libertado", que estreou em Portugal na quinta-feira, apresenta Jamie Foxx no papel de Django, um escravo adquirido por um caçador de prémios alemão, o Dr. King Schultz (Christoph Waltz), que promete libertá-lo se ele o ajudar a apanhar uns criminosos que procura, os irmãos Brittle.
Em troca, Schultz ajudará Django a libertar a sua mulher, escrava numa plantação cujo proprietário é interpretado por Leonardo DiCaprio.
O filme, que tem suscitado polémica devido à violência -- habitual nos filmes de Tarantino -- e à maneira como retrata a escravatura, está nomeado em cinco categorias para os Óscares, que serão entregues a 24 de Fevereiro.

domingo, 20 de janeiro de 2013

0 Dono do Megaupload lança novo site de partilha de ficheiros

O patrão do Megaupload, Kim Dotcom, lançou um novo portal de armazenamento e partilha de ficheiros designado Mega, alegando cumprir a lei, e alertou que qualquer tentativa para o encerrar será em vão.


“Isto não é para mostrar nenhum dedo ao Governo norte-americano ou a Hollywood”, disse Kim em declarações à Reuters no sábado ao salientar que “legalmente não há nada que se possa usar para encerrar” o novo portal, que surge depois de o Megaupload ter sido encerrado em janeiro de 2012 por alegada pirataria.
 
 
De acordo com Kim Dotcom, “este portal é tão legítimo como o Dropbox, o Boxnet e outros concorrentes”.
Horas depois de o Mega ter começado a funcionar, Kim Dotcom indicou, através de uma mensagem no Twitter, que o seu novo portal já contava com 250 mil utilizadores registados.
Kim Dotcom está em liberdade condicional na Nova Zelândia à espera do julgamento, que deverá ter lugar em Março, para saber se será extraditado para os Estados Unidos, onde é acusado de pirataria informática e outros delitos.

domingo, 6 de janeiro de 2013

0 Facebook ajuda irmãs bósnias a reencontrarem-se 72 anos depois

Duas irmãs de nacionalidade bósnia reencontraram-se, com a ajuda do Facebook, após 72 anos sem manterem contacto, revela hoje a imprensa do país.
Apesar de viverem na Bósnia a uma distância de 200 quilómetros entre si, Tanija Delic, de 88 anos, e Hedija Talic, de 82, não se viam desde 1941, em plena segunda guerra mundial.
O reencontro deu-se após o filho de Tanija Delic, a irmã mais velha, se ter interessado pela árvore genealógica da família e ter encontrado na rede social Facebook outros familiares do lado da irmã mais nova.
A reunião das irmãs, contam os media da Bósnia, ficou marcada por "muitas lágrimas" e pela partilha de memórias de diversos momentos da infância familiar.
Tanija Delic e Hedija Talic tinham um outro irmão, que terá rumado aos Estados Unidos também por alturas da segunda guerra, e de quem as irmãs e a familiar procurarão agora saber notícias.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

0 Rebelião de cibernautas frustrou planos do Instagram

Empresa que criou aplicativo de partilha de fotografias foi forçada a retroceder de novas regras que lhe permitiriam comercializar os trabalhos dos utilizadores sem os remunerar ou avisar.

O Instagram, um aplicativo gratuito de partilha de fotografias nas redes sociais, terá perdido cerca de 4 milhões dos seus utilizadores ativos, perto de um quarto do total, entre 19 e 26 de dezembro – um tombo que revela a particular sensibilidade dos cibernautas em relação às regras de privacidade nas redes que frequentam. A informação foi veiculada pelo New York Post, baseada em dados da empresa de pesquisa AppData.
A causa foi o anúncio feito pelo Instagram de que iria alterar as condições gerais de utilização, de forma a que a empresa passava a ter o direito de vender as fotografias dos utilizadores sem lhes dar qualquer remuneração nem os informar dessa utilização.
A onda de indignação que o anúncio provocou levou a Instagram a retroceder e voltar às condições de utilização de 2010, mas o mal já estava feito e os utilizadores empenhavam-se em movimentos de boicote, a partir do twitter (#boycottinstagram) e outras redes. Kevin Systrom, CEO e cofundador, anunciou então que tudo não tinha passado de um mal entendido e garantiu que a empresa não tinha qualquer intenção de vender fotografias.
A Instagram afirmou oficialmente que os dados de perda maciça de utilizadores são falsos, e que, pelo contrário, o uso da aplicação continua a crescer.
Seja como for, a verdadeira rebelião dos utilizadores existiu e provocou a desistência dos planos da empresa de lucrar à custa das fotografias alheias.
No início do ano, a Instagram foi comprada pelo Facebook por mil milhões de dólares.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

0 Como encriptar comunicações em telefones Android

Há cerca de um mês veio a público uma carrinha misteriosa estacionada na Assembleia. O caso foi discutido com muito aparato, mas ninguém apresentou soluções.

 É necessário e fundamental que o povo esteja informado, para ser cada individuo a decidir o que fazer e os riscos que corre se o fizer ou não.
 Mas fazer o quê?
Encriptar comunicações móveis!


s de voz

Que fique bem claro que nenhuma comunicação de voz é segura na rede GSM. E não é apenas porque poder ser monitorizada. Para realizar chamadas de voz seguras em Android podemos usar alguns softwares com o auxílio da Internet móvel para encriptar a conversação. O RedPhone Beta é um deles que não precisa de Internet. Outros são os serviços VoIP, como Skype (ver nota nos comentários sobre o Skype). Aqui ainda não existe muito avanço tecnológico, mas melhores dias virão.

Mensagens Escritas (SMS)

Aqui já é diferente, temos várias aplicações grátis que fazem o serviço. Em uso no meu Android o TextSecure Beta e tento convencer todos os que têm Android a usar esta aplicação. Depois da aplicação instalada, basta começarmos a usar enviando mensagens para outro telefone Android com o mesmo programa instalado. Se detectado o TextSecure do “outro lado”, o próprio programa oferece-se para começar a encriptar mensagens.
Como alguns sabem, as Mensagens Escritas podem ser lidas (e são muitas vezes “gravadas” ou ”impressas”) pelos operadores de telecomunicações. Com esta forma, quem não tiver a “key” para decriptar as mensagens, vai ter um longo trabalho pela frente, tornando assim a comunicação mais segura. Outro programa igual é o PGP SMS Lite.

Redes sociais

As redes sociais estão protegidas. Tanto a aplicação do Facebook como a do Twitter, ambas as oficiais para o Android, fazem uma ligação SSL (Secure Socket Layer) o que impossibilita monitorizações externas. Aqui nada há a acrescentar.

E-mails

Para quem não consegue ou quer enviar nada por redes sociais ou mensagens escritas, tem também a opção do e-mail. O K-9 é um cliente de e-mail que suporta PGP (Pretty Good Privacy) e possibilita enviar dados sensíveis (aqui de forma mais indefinida: podemos enviar imagens, vídeos, texto e tudo isto num só e-mail).

A configuração destes dispositivos é relativamente fácil, e no caso de haver problemas uma pesquisa no Google pode ajudar.

Trata-se aqui de garantir a nossa soberania e privacidade enquanto cidadão livre que somos.
Agora falta questionar o porquê de uma carrinha de monitorização, uma das duas que existem em todo o país, estar  estacionada ao pé da Assembleia da República no mesmo dia em que havia uma manifestação. Mas isso já não é o meu departamento. Eu sei que a carrinha estava lá para interceptar comunicações. E sei que se usarmos um destes programas, o estar lá ou não estar será irrelevante, pois não poderão fazer nada.
Se tiverem outras sugestões, deixem nos comentários!

domingo, 16 de dezembro de 2012

0 Pinto Balsemão admite que será necessário "limitar desinformação" da Internet

O papel da Internet e das redes sociais na configuração do espaço público foi hoje questionado num debate em Coimbra, tendo o empresário Pinto Balsemão admitido a necessidade de limitar o que for “desinformação”.
Francisco Pinto Balsemão, presidente da SIC, disse que na Internet, incluindo nas redes sociais, nos anos mais recentes, são veiculadas informações com importância noticiosa, mas referiu que, “misturado com isto tudo, há rumores que nunca são confirmados”.
“As redes sociais vieram agravar este fenómeno”, disse o antigo primeiro-ministro, ao intervir numa conferência subordinada ao tema “Democracia, novos media/novos poderes”, uma iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Coimbra e da Fundação Bissaya Barreto.
Na sessão, a terceira de um ciclo integrado nas comemorações dos 300 anos do nascimento de Jean-Jacques Rousseau, participaram também José Manuel Fernandes, José Pacheco Pereira, Miguel Morgado e Viriato Soromenho Marques, tendo cabido a moderação ao jornalista Henrique Monteiro.
Uma “grande parte” das pessoas “abdica da sua privacidade para publicar informação sua na ‘net’ e nas redes sociais”, afirmou Pinto Balsemão.
Os cidadãos “que defendem a liberdade de expressão” poderão ser levados a exigir que “sejam colocados limites a essa desinformação”, acrescentou.
“Até que ponto devemos ser tolerantes com a intolerância?”, perguntou o fundador do semanário Expresso, afirmando que ele próprio já foi “vítima disso” na Internet.
Nos meios de comunicação virtuais, “há dificuldade em saber quem é quem”, criticou.
Pinto Balsemão referiu que, para reagir a estes problemas, importa que “os meios ditos tradicionais mantenham as suas funções de mensageiro de filtrador, de veiculador de opiniões e de ‘aguilhão’ da opinião pública”.
Também o ex-eurodeputado Pacheco Pereira considerou que “não é possível haver sociedade democrática sem haver mediações”, as quais podem ser efetuadas através “do saber, do conhecimento profissional, do tempo institucional, do direito e das regras”.
A democracia “é a vontade da maioria”, mas a ela deve acrescentar-se “o império da lei”, adiantou.
“A democracia é feita para garantir que decisões não populares possam responder a outras necessidades que não são aquelas que impulsionam o voto popular”, afirmou o comentador político e antigo eurodeputado do PSD.
Para o professor universitário Viriato Soromenho Marques, “o excesso de informação ruidosa” é hoje um dos problemas das sociedades.
“Ninguém pode esperar que, com um artigo de jornal ou um programa de televisão, possa passar da ignorância à sabedoria”, disse, realçando que “a comunicação social ajuda a definir uma agenda pública para a esfera pública”.
O jornalista José Manuel Fernandes, por seu turno, criticou “um certo jornalismo de pé de microfone” que às vezes o deixa “enfadado”.
Os jornalistas “têm alguma culpa na crise dos média” e na “perda de audiências”, acusou.
Para os políticos, “a obediência à agenda mediática” tem “uma razão forte democrática de ser”, defendeu, por seu turno, Miguel Morgado, assessor político do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.
Miguel Morgado justificou esta afirmação com a ideia de existir atualmente “uma ‘des-sintonia’ entre o tempo político e o tempo mediático” à qual os políticos procuram adaptar-se, uma vez que eles “são os representantes da opinião popular”.

sábado, 17 de novembro de 2012

0 Precários Inflexíveis com site bloqueado

Uma empresa de vendas diretas não gostou de ser denunciada por ilegalidades fiscais e laborais no site dos Precários Inflexíveis e ameaçou a associação com ações judiciais. A queixa chegou à plataforma Blogger, que mantém bloqueado o acesso ao site. A associação exige a reposição da sua página na internet e diz que não vai ceder a ameaças.



Os casos de atuais e antigos trabalhadores de empresas de vendas e telemarketing que deixam denúncias das condições de trabalho a que estão sujeitos preenche algumas das caixas de comentários do site dos Precários Inflexíveis. E já não é a primeira vez que surgem ameaças e processos em tribunal para retirar comentários pouco abonatórios das práticas laborais destas empresas. Como a Ambição Internacional/Axes Market, que recentemente perdeu em segunda instância uma providência cautelar para retirar dezenas de comentários que a acusavam de fraude sobre os candidatos a emprego.
Desta vez a denúncia chegou ao Blogger - que pertence à Google e aloja blogues de todo o mundo - antes de chegar à justiça. A autora é uma empresa do grupo BF, que trabalha no setor das vendas diretas, "alegadamente por considerar difamatório um testemunho de um trabalhador que os acusa de trabalho ilegal e fuga ao fisco", diz o comunicado dos Precários Inflexíveis no Facebook.
“Talvez a Blogger tenha agido de forma defensiva, com medo de represálias da BF. Mas nós não temos tanto medo. Não vamos ceder”, afirmou Tiago Gillot ao jornal Público, acrescentando que os Precários Inflexíveis vão “lutar pelo seu blogue”.
"Porque não aceitamos estes ataques à liberdade de expressão e porque queremos continuar a defender os direitos dos trabalhadores e a partilhar as denúncias de quem vive a precariedade na pele e na vida, iremos responder à empresa e à Google exigindo a reposição do nosso site", diz ainda o comunicado.
"Até à situação estar resolvida utilizaremos a página do Facebook dos Precários como local de informação, opinião, organização e divulgação", conclui a Associação.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

0 Contratos de telefones, Internet e TV por cabo são anulados se dívida passar os 60 dias

Os contratos de fornecimento a particulares de Internet, telemóvel ou televisão por cabo vão terminar se os consumidores não pagarem as contas 60 dias depois do prazo limite, disse hoje à agência Lusa fonte do Ministério da Justiça.


 A nova legislação foi hoje aprovada em Conselho de Ministros e pretende, segundo a mesma fonte, evitar que os consumidores acumulem dívidas grandes como vinha sucedendo, com empresas que não cessavam os contratos mesmo que os clientes não pagassem as contas.

Nessa situação, o valor da dívida ia acumulando e atingia, por vezes, valores difíceis de saldar, que acabavam em tribunal, situação que se pretende agora evitar, já que valores mais pequenos serão mais facilmente pagos pelos devedores, explicou a mesma fonte do Ministério da Justiça.

Com as novas regras, as contas das comunicações electrónicas devem ser saldadas nos 30 dias seguintes à data de pagamento. Se tal não acontecer, a empresa suspende o serviço. No caso de a dívida continuar por pagar nos 30 dias seguintes, a empresa fornecedora é obrigada a suspender o contrato.

A dívida será depois paga recorrendo aos processos habituais, mas os responsáveis governamentais esperam que haja menos processos a entrar nos tribunais por os valores passarem a ser menores e mais facilmente pagos através de acordos extrajudiciais.

Algumas empresas fornecedoras de Internet, telemóveis ou Internet já vinham suspendendo os serviços em caso da falta de pagamento, mas outras impunham o cumprimento dos contratos mesmo depois dos consumidores fazerem saber não ter possibilidade de suportar o custo, criticou, por seu lado, o secretário da associação de Defesa do Consumidor DECO, Jorge Morgado.

“Achamos que pode ser uma medida interessante porque pode resolver o problema das dívidas de algumas famílias”, disse Jorge Morgado à agência Lusa, que acusa alguns prestadores deste tipo de serviços de “insensibilidade” por continuarem a prestar serviços que as pessoas não podem pagar só porque têm contratos de fidelização assinados.

No caso das empresas, o prazo de pagamento vai poder ser ultrapassado em 20 dias em vez dos actuais dez, mas o serviço só será suspenso se o fornecedor assim o entender, já que a lei não se alterou neste caso.

A anulação dos contratos por falta de pagamento já foi testada anteriormente com os seguros automóveis e “resultou”, pelo que foi agora adaptada às comunicações electrónicas, acrescentou a mesma fonte do Ministério da Justiça.
 

NOTÍCIA TUGA Copyright © 2011 - |- Template created by Notícia Tuga - |- Powered by Notícia Tuga