Mostrar mensagens com a etiqueta Ofertas de emprego. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Ofertas de emprego. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 9 de maio de 2013

0 9 em cada 10 ofertas de trabalho são falsas

9 em cada 10 ofertas de trabalho que aparecem anunciadas são falsas e têm como único objetivo criar bases de dados, à margem da lei, com o intuito de avaliar a procura de emprego e tentar baixar ainda mais os salários praticados.

Mais de 90% dos anúncios de emprego são falsos”. Quem o diz é Luís Bento, presidente da Associação Portuguesa de Gestão de Pessoas (APG). A precariedade laboral e a crescente dificuldade em encontrar emprego estão a fazer florescer um esquema, ilegal, para avaliar o estado em que se encontra a procura de emprego e, de acordo com a oferta encontrada, tentar baixar o preço do trabalho.  
O esquema foi denunciado recentemente e dá conta de como milhares de anúncios oferecendo emprego são, na verdade, operações de fachadas para criar bases de dados com informação dos candidatos e avaliar a procura de emprego. O objetivo é diminuir radicalmente os custos de seleção e criar bolsas de profissionais que aceitem emigrar.
Os anúncios, na sua maioria, aparecem como anónimos ou confidenciais, não referindo sequer a remuneração em causa, área profissional ou forma de contração. Como as empresas não têm que fornecer a sua informação aquando do registo do anúncio, e os meios que o publicam não são responsáveis pelo conteúdo que publicitam, está criado um vazio legal que permite caminho ao abuso e à criação de bases de dados à margem da lei.
Os Precários Inflexíveis recordam que “as recentes campanhas de recrutamento da Alemanha de profissionais e técnicos especializados no Sul da Europa são um exemplo claro deste esquema” que, segundo Luís Bento, presidente da APG, “é um negócio transnacional”, havendo troca e comercialização das bases de dados criadas com base na mentira e na fraude da oferta de emprego”.
A legislação em vigor permite que o candidato, conseguindo provar que concorreu a uma oferta laboral que nunca existiu, possa acusar o anunciante pela utilização indevida dos seus dados pessoais. O crime é punível com pena de prisão até um ano, mas, sendo extremamente difícil provar que um posto de trabalho em concreto nunca existiu, são raras as acusações.
Mesmo no caso da página eletrónica do Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional (IEFP), que verifica as empresas cujas ofertas de trabalho aparecem no site, são inúmeros os casos revelados de ofertas abaixo do salário mínimo nacional. O Bloco de Esquerda já denunciou, até em debates com o primeiro-ministro, propostas de 600 euros por mês, para arquitetos ou enfermeiros.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

0 Site do IEFP oferece remuneração de 4EUR para docentes em Faro




A oferta é escandalosa mas não é a única. No entanto, erro ou não, continua claro que o site de Emprego do Governo não tem a seriedade necessária.
Num país do faz de conta, num país onde a imoralidade e até possivelmente o engano reinam, existe uma oferta no site gerido pelo Governo desse país, com a remuneração mensal de 4EUR.



Procuram-se docentes para Faro… remuneração: 4EUR
A situação foi denunciada esta madrugada pelo MSE – Movimento Sem Emprego no seu site.

Até ao momento, a  informação deste anúncio continua online. O emprego é para Faro, para licenciados da área da educação. São necessários “DOCENTES DO ENSINO BÁSICO,PRIMÁRIO E PRÉ-PRIMÁRIO (M/F)”. O trabalho é a tempo “Parcial”, e a remuneração mensal é de 4EUR. Conforme identificado por alguns membros do Tugaleaks, 4EUR dá para comprar duas latas de feijão e alimentarmo-nos com elas durante o mês inteiro.
Este valor poderia ser um valor á hora, no entanto o restante site coloca valores ao mês, pelo que essa hipotese está descartada.

Ver oferta de emprego

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

0 Netemprego recruta enfermeiros a 485 euros

Portal mantido pelo IEFP publica oferta de emprego para 20 enfermeiros com licenciatura dispostos a trabalhar em horário completo por 10 euros acima do salário mínimo. Sindicato pede retirada do anúncio.


O portal Netemprego, mantido pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, tem online uma oferta de emprego para enfermeiros em Braga. São 20 vagas para as quais se exige licenciatura para um horário completo de oito horas diárias e se oferece um contrato a termo de seis meses e um salário de 485 euros. Há ainda a menção de que o emprego seria na Bélgica.
O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses já reagiu e enviou carta ao presidente do IEFP solicitando a retirada do anúncio, por considerar “acintoso e inadmissível que um instituto público tenha publicitado uma oferta de emprego... que em nada se coaduna com a remuneração base vigente legalmente para os enfermeiros”.
 

NOTÍCIA TUGA Copyright © 2011 - |- Template created by Notícia Tuga - |- Powered by Notícia Tuga