Mostrar mensagens com a etiqueta PSP. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta PSP. Mostrar todas as mensagens

domingo, 17 de março de 2013

0 Jovem morre durante perseguição policial no bairro da Belavista em Setúbal | Esquerda

Ao final da noite de sábado, a PSP admitiu que fez disparos “de intimidação” na direção do jovem de 18 anos que morreu na sequência da perseguição policial e dos disparos da polícia quando circulava de motociclo, no bairro da Belavista, em Setúbal. Moradores garantiram à TVI, que “pelo menos uma das balas atingiu o rapaz”. A PSP alega que o jovem circulava sem capacete. Pessoas do bairro revoltaram-se, rodearam a esquadra e incendiaram caixotes do lixo. Notícia atualizada à 1.15h de 17 de março

Segundo a agência Lusa, a PSP admitiu que disparou dois tiros “de intimidação” na direção do jovem de 18 anos que circulava de mota na estrada das Manteigadas, próximo do Bairro da Belavista em Setúbal.
Segundo a PSP, o jovem circulava sem capacete e alegadamente não terá parado à intimação dos agentes. O jovem despistou-se e morreu.
Para a PSP, a morte deve-se ao despiste, para a população do bairro a morte deve-se aos tiros disparados pela força da PSP.
Populares rodearam a esquadra em protesto contra mais esta morte na sequência de uma perseguição policial. Jovens derrubaram mais de uma dezenas de caixotes do lixo, queimaram alguns, atiraram pedras e danificaram veículos e um autocarro dos TST. A esquadra local foi reforçada com forte contingente policial e 30 agentes do Corpo de Intervenção da PSP que voltaram a fazer disparos.
Segundo o site do “Diário de Notícias”, o jovem que morreu era sobrinho de um agente da PSP da esquadra da Belavista.

sábado, 19 de janeiro de 2013

0 PSP reprime protesto de estudantes em Braga

O protesto contra a agregação da Escola Secundária Alberto Sampaio num mega-agrupamento acabou com a PSP lançar gás pimenta sobre os estudantes. A repressão feriu seis estudantes, três dos quais receberam assistência hospitalar. O Bloco de Esquerda vai questionar o Governo sobre esta ação policial "absolutamente intolerável".


Na quinta-feira, o Ministério da Educação anunciou a agregação da Escola Secundária Alberto Sampaio com o agrupamento de Nogueira, com o novo mega-agrupamento a abranger 3500 alunos. O Conselho Municipal de Educação já tinha declarado a sua "frontal oposição" à criação de mega-agrupamentos no concelho de Braga. Na reunião realizada no final de dezembro, a Federação das Associações de Pais do Concelho de Braga ameaçou avançar para tribunal para contestar a intenção de Nuno Crato.
Esta sexta-feira, os alunos fecharam os portões da escola a cadeado e colocaram faixas pretas nas grades. O surgimento da patrulha da Escola Segura não fazia prever as cenas de violência que se seguiriam com a chegada de mais agentes da PSP. "Atiraram com gás pimenta para cima dos alunos, uns ficaram com os olhos inchados, outros com a boca a arder, houve agressões, não entendemos tanta violência quando a situação poderia ser resolvida com uma conversa", disse Pedro Martins, presidente da Associação de Estudantes, em declarações ao Jornal de Notícias.
Um dos alunos acabou por ser hospitalizado devido às lesões provocadas pelo gás lançado pelos agentes policiais aos alunos, muitos deles do 7º ano. Depois da violenta intervenção policial, os cadeados foram retirados pelos bombeiros, os portões abriram-se, mas os alunos recusaram-se a entrar na escola, prosseguindo o protesto.
Para o representante dos pais dos alunos no concelho de Braga, a criação de mega-agrupamentos no concelho é uma medida "puramente economicista", que "só tem como objetivo o corte na despesa da Educação" e que "até contraria" uma recomendação do Conselho Nacional de Educação, que pede "um inequívoco reforço da concentração das atividades de gestão pedagógica nas escolas, o mais perto possível dos alunos, aplicando um projeto educativo próprio".
"Será que isto se consegue criando mega-agrupamentos com 3000 ou mesmo 3500 alunos, com escolas que distam mais de 14 quilómetros da sede? Claro que não se consegue", acrescentou José Lopes, citado pela Lusa no fim da reunião de dezembro do Conselho Municipal de Educação de Braga.
Bloco vai questionar Governo sobre ação policial "absolutamente intolerável"
Em comunicado, o Bloco de Esquerda anunciou que irá questionar o ministro da Administração Interna sobre a atuação da PSP de Braga na manhã de sexta-feira. "O Bloco considera que esta atuação da PSP contra estudantes com idades entre os 12 e os 15 anos é absolutamente intolerável", diz a nota de imprensa que apelida ainda a ação policial como "despropositada e desproporcional".
 "O Bloco entregará no Parlamento uma pergunta por escrito ao Governo, dirigida ao ministro da Administração Interna, com a exigência de explicações sobre esta atuação da PSP em Braga e de apuramento de responsabilidades", conclui o comunicado em que os bloquists condenam a violência policial junto à Escola Secundária Alberto Sampaio.

Fonte

sábado, 15 de dezembro de 2012

0 PSP envia FAX xenófobo a escolas para identificar ciganos com cadastro

A PSP pediu a várias escolas, por carta, a identificação de alunos ciganos com cadastro para “ajudar” numa investigação. A mesma PSP nega a carta enviada.
A Esquadra de Investigação Criminal da PSP de Almada enviou para algumas escolas, diversas cartas a solicitar a “identificação de alunos de etnia cigana” e e “se algum destes alunos está referenciado pela prática de ilícitos”.

A situação foi denunciada por jornalistas em grupos de Facebook mas foi no Jornal O Crime que teve o maior destaque na passada quinta-feira em manchete na primeira página. Este pedido viola a Constituição da República e o Art.º 13 do Tratado da União Europeia bem como a ética e bom nome desta força policial.


PSP envia FAX xenófobo a escolas para identificar ciganos com cadastro

cliqua para ampliar

PSP desmente envio de Carta

A carta que pode ser lida neste artigo e também no  Jornal O Crime  e está à vista de todos. No entanto, o seu envio  foi desmentida pela PSP. Em resposta ao jornal, a PSP informa:

A PSP agradece o contacto, e sobre o assunto em apreço informa-o que a PSP não divulgou qualquer pedido com os conteúdos em apreço, nem nunca o faria citando raças, etnias, nacionalidades, etc, como aliás é regra da Instituição em qualquer comunicação interna ou externa. É tudo quanto nos cumpre levar ao conhecimento de V. Exa., para os devidos efeitos.
Com os melhores cumprimentos,
Marília P. Santos – chefe do Departamento dos Sistemas e Informações e Comunicações da Direcção Nacional da PSP.

Professores revoltados

Segundo declarações ao Jornal O Crime, existem vários professores revoltados com a situação. Leia-se por exemplo este testemunho:
O que está em causa, acima de tudo, é esta forma ao estilo da PIDE, procurando criar uma lista negra dos excluídos. Qual a razão de se pedirem apenas da “raça cigana”
e não se pedir os nomes dos filhos dos deputados que andam à noite drogados e bêbedos a conduzir e fazer todo o tipo de disparates?
É grave, tal como é grave irem à RTP pedir as imagens sobre uma manifestação. Estamos a entrar num caminho muito perigoso para a democracia.

O Jornal informa ainda que uma escola incumbiu os directores de turna a fazerem a recolha desses “dados” de famílias ciganas.
 

NOTÍCIA TUGA Copyright © 2011 - |- Template created by Notícia Tuga - |- Powered by Notícia Tuga